Tamanho do texto

Condomínio em que candidato do PSL vive hoje não é cercado por muros, só por arbustos; a segurança dos presidentes é responsabilidade total do GSI

Caso eleito, será preciso aumentar a segurança de Jair Bolsonaro, que hoje está recluso em sua residência, na Barra
Tânia Rêgo/Agência Brasil - 25.10.18
Caso eleito, será preciso aumentar a segurança de Jair Bolsonaro, que hoje está recluso em sua residência, na Barra

Se o candidato do PSL à Presidência da República vencer as eleições 2018 neste domingo (28), ele deve viajar ainda hoje para Brasília. Isso porque, de acordo com a Constituição Federal, a segurança do cotidiando dos presidentes brasileiros é de responsabilidade do Gabinete de Segurança Instituicional (GSI), e, no Rio de Janeiro, o candidato não estaria seguro. A segurança de Jair Bolsonaro já é pauta na Polícia Federal (PF).

Leia também: Com segurança reforçada, Jair Bolsonaro vota no Rio de Janeiro

De acordo com a PF, a transferência do capitão da reserva, se eleito, será necessária. Afinal, nesse caso, será preciso aumentar a segurança de Jair Bolsonaro , que hoje está recluso em sua residência, na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro.

Ele não deixa a sua casa desde que foi vítima de um ataque a faca, durante a sua campanha presidencial – com exceção dos dois dias de eleição, quando saiu de casa para votar. Hoje, o candidato votou com colete à prova de balas na Vila Militar. Também neste domingo, eleitores – até mesmo crianças – foram revistados ao entrar no colégio eleitoral. 

Leia também: Bolsonaro tem 54% e Haddad, 46%, diz Ibope

Em uma carta enviada aos moradores e frequentadores do condomínio, a administração do conjunto habitacional orienta que os demais condôminos "evitem de sair de carro e receber visitas". A ideia é poupar o candidato de qualquer potencial ameaça, como a de alguém invadir o condomínio de Bolsonaro

Segundo a PF, este condomínio na Barra da Tijuca é muito exposto, com casas sem muros, muito devassadas e próximas umas das outras, o que tornaria impraticável a permanência de um presidente da República. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

“Nesse caso, a exigência e o rigor são muito maiores. Todos os moradores precisariam ser identificados todo o tempo. A área passa a ser controlada pela União, o que torna a rotinas das pessoas comuns muito complicada”, pondera um agente da corporação.

Leia também: Começa a votação do 2º turno das eleições; 13 estados e DF escolherão governador

Ainda pensando na segurança de Jair Bolsonaro , o plano da sua equipe é que, no caso de uma vitória no segundo turno das eleições de hoje, o candidato fique morando – até que assuma o cargo – em seu apartamento funcional em Brasília. Além disso, também cogitando a vitória do peeseelista, a equipe do candidato negocia, há duas semanas, a transição com o governo Temer.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.