Tamanho do texto

Articulador político disse que pedido foi feito às vésperas do segundo turno porque a equipe estudava maneiras de garantir a credibilidade do sistema

Pedido é para que haja cinco representantes das campanhas de cada candidato para acompanhar a apuração de votos
Jr./ ASICS/ TSE
Pedido é para que haja cinco representantes das campanhas de cada candidato para acompanhar a apuração de votos

A coligação de apoio à candidatura de Jair Bolsonaro (PSL) entrou com representação nesta sexta-feira (26) no  Tribunal Superior Eleitoral (TSE) pedindo que cinco representantes das campanhas de cada um dos dois candidatos possam acompanhar a apuração de votos na sala-cofre do tribunal.

“Estamos em busca de um direito constitucional: a transparência dos atos públicos. Fizemos isso de forma democrática e ampla”, explicou o articulador político de Bolsonaro, deputado Onyx Lorenzoni (DEM) ao defender o acompanhamento da apuração de votos .

De acordo com ele, o pedido só foi feito agora às vésperas do segundo turno porque a equipe estudava maneiras de garantir a credibilidade do sistema eletrônico, “que não é usado em nenhum lugar com democracia consolidada”, afirmou.

Caso a ministra Rosa Weber negue o pedido, Lorenzoni adiantou que tentará uma liminar junto ao Supremo Tribunal Federal (STF) para garantir a presença na sala-cofre, onde geralmente a contagem é monitorada apenas por técnicos da casa.

Leia também: Defesa de Bolsonaro nega caixa dois e diz que ação do PT visa "caos eleitoral"

Na terça-feira (23), o ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, anunciou que todas as denúncias feitas por cidadãos nas seções eleitorais sobre fraudes nas urnas ou irregularidades no processo de votação no segundo turno a ser realizado no dia 28 de outubro serão registradas em tempo real pelos mesários e disponibilizadas online para acompanhamento da apuração do caso.

Jungman comunicou que ele e a presidente do Tribunal Superior Eleitoral ( TSE ), ministra Rosa Weber, assinaram também nessa terça-feira, mais cedo, um termo de orientação conjunta com diretrizes a serem seguidas por mesários e presidentes das seções eleitorais diante de denúncias de fraudes nas urnas.

Segundo explicou o ministro, nesses casos, os mesários e os presidentes de seções eleitorais deverão fazer o registro das denúncias e enviá-las em tempo real ao sistema da Justiça Eleitoral, por meio de uma funcionalidade acrescentada ao aplicativo Pardal, que já se encontra disponível.

Leia também: Presidente do PSL questiona isenção da Organização dos Estados Americanos

De acordo com o ministro, o objetivo é desencorajar que denúncias sejam feitas após o eleitor deixar a seção eleitoral. Desse modo, acredita o ministro, ficaria mais fácil separar situações verdadeiras de boatos que tenham como objetivo somente abalar a credibilidade da urna eletrônica. Ainda de acordo com Jungmann, reclamações posteriores necessitariam assim apresentar também uma justificativa para não terem sido feitas antes da apuração de votos .