Tamanho do texto

Além de Marina, Eymael, que concorreu à Presidência, também deixou a neutralidade e declarou voto em Fernando Haddad no segundo turno

Marina declara voto em Fernando Haddad no segundo turno, prometendo fazer oposição a ele caso o petista seja eleito
Reprodução
Marina declara voto em Fernando Haddad no segundo turno, prometendo fazer oposição a ele caso o petista seja eleito

Na semana derradeira das eleições presidenciais, Marina Silva (Rede), candidata ao Planalto nos pleitos de 2010, 2014 e 2018, resolveu abandonar a posição de neutralidade e apoiar o presidenciável Fernando Haddad (PT). Marina declara voto em Haddad em um momento em que seu adversário, o deputado Jair Bolsonaro (PSL), surge como favorito a vencer as eleições.

Leia também: Haddad confirma aproximação com Joaquim Barbosa e sugere Cortella para o MEC

Desde o fim do primeiro turno, a Rede já havia se colocado contra Bolsonaro. O partido, contudo, não oficializou apoio à candidatura do PT. Agora, Marina declara voto em Haddad, muito embora, em sua justificativa publicada nas redes sociais, afirme que fará oposição a quem quer que seja eleito.

"Vejo no projeto político defendido pelo candidato Bolsonaro risco imediato para três princípios fundamentais da minha prática política: promete desmontar a estrutura de proteção ambiental conquistada ao longo de décadas, por gerações de ambientalistas, fazendo uso de argumentos grotescos, tecnicamente insustentáveis e desinformados", enumera Marina Silva.

Leia também: Haddad vai ao Nordeste pela primeira vez no 2º turno e reforça cobranças ao TSE

"Ademais, desconsidera os direitos das comunidades indígenas e quilombolas, anunciando que não será demarcado mais um centímetro de suas terras, repetindo discursos que já estão desmoralizados e cabalmente rebatidos desde o início da segunda metade do século passado. É um projeto que minimiza a importância de direitos e da diversidade existente na sociedade, promovendo a incitação sistemática ao ódio, à violência, à discriminação. Por fim, é um projeto que mostra pouco apreço às regras democráticas, acumula manifestações irresponsáveis e levianas a respeito das instituições públicas e põe em cheque as conquistas históricas desde a Constituinte de 1988 ", completa a candidata.

"Darei um voto crítico e farei oposição democrática a uma pessoa que, “pelo menos” e ainda bem, não prega a extinção dos direitos dos índios, a discriminação das minorias, a repressão aos movimentos, o aviltamento ainda maior das mulheres, negros e pobres, o fim da base legal e das estruturas da proteção ambiental, que é o professor Fernando Haddad ", conclui a ex-ministra do Meio Ambiente.

Assim, há pouco menos de uma semana do primeiro turno, Marina declara voto em Haddad, mas não só ela: Eymael, assíduo frequentador das disputas presidencias, também deixou a neutralidade nesta segunda-feira (22), afirmando votar no candidato petista em nome de um "pacto nacional pela democracia".

Leia também: Haddad promete ajuste no Bolsa Família e baixar preço do gás ao máximo de R$ 49