Tamanho do texto

Campanha de Bolsonaro pôs na TV vídeo em que o irmão de Ciro Gomes chama petistas de 'babacas'; Cid classifica estratégia como 'ardiloso artifício' e diz que Bolsonaro transmite 'fatos que não condizem com a realidade'

Cid Gomes criticou o Partido dos Trabalhadores em evento pró-Haddad realizado na segunda-feira
Reprodução/Youtube
Cid Gomes criticou o Partido dos Trabalhadores em evento pró-Haddad realizado na segunda-feira

O recém-eleito senador Cid Gomes (PDT-CE), irmão do candidato à Presidência Ciro Gomes (PDT), recorreu ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) na noite dessa terça-feira (16) para tentar impedir que um  vídeo seu criticando o Partido dos Trabalhadores (PT) continue sendo utilizado na propaganda de Jair Bolsonaro (PSL) na televisão.

As críticas de Cid Gomes ao PT se deram no início desta semana, durante ato realizado em Fortaleza com o intuito de firmar o apoio do PDT ao candidato Fernando Haddad no segundo turno da eleição presidencial. Na ocasião, Cid bateu boca com militantes petistas, chamados por ele de "babacas", e disse que Haddad e o PT "merecem perder" da eleição.

As filmagens dessas críticas do pedetista foram inseridas no programa de Bolsonaro levado ao ar em rede nacional de televisão na noite de ontem. Para o quinteto de advogados que representam Cid no TSE, a estratégia da campanha de Bolsonaro representa "ardiloso artifício para tentar repassar à população fatos que não condizem com a realidade".

Os advogados alegam que o presidenciável do PSL infringiu trecho da legislação eleitoral que coíbe o uso de imagem de candidato filiado a partido que declarou apoio a outro. A defesa acrescenta que a propaganda de Bolsonaro foi editada e visa "criar, artificialmente, estados mentais na população, na nítida tentativa de induzir o eleitorado à erro".

Leia também: Campanha eleitoral do PT gasta quase dez vezes mais que Bolsonaro e o PSL

As declarações feitas pelo irmão de Ciro Gomes na segunda-feira motivaram reações ao longo dessa terça-feira.  Fernando Haddad minimizou o ocorrido e afirmou que Cid é seu amigo. Já a presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann, não escondeu sua decepção. "Se o PT não estivesse no segundo turno, apoiaria o adversário do deputado Bolsonaro, porque ele não vai promover a democracia no País. Esperávamos que isso fosse um movimento natural e estou vendo que não é", escreveu a petista horas após as declarações de Cid.

Diante do mal-estar causado, o próprio Cid Gomes voltou a se pronunciar e, desta vez, deixou claro que considera o candidato do PT "infinitamente melhor que Bolsonaro". "Eu não quero me vingar de ninguém. Para o Brasil, o menos ruim é o Haddad. Por isso, penso que seria melhor que ele ganhasse. [...] Creio que a única forma de ajudar a evitar que essa ânsia popular de negação coloque o País numa aventura obscurantista seria uma profunda autocrítica da companheirada seguida de um encarecido e sincero pedido de desculpas. Na sequência, uma palavra firme do Haddad de que governará suprapartidariamente. Será pedir demais? Muita ingenuidade?", explicou-se.

Leia também: Conheça as principais propostas de Bolsonaro e Haddad para a educação

Veja abaixo o momento em que Cid Gomes criticou o PT: