Tamanho do texto

Novo governador do Espírito Santo vence a disputa ainda no 1º turno, com 55% dos votos; confira os desafios que ele terá no comando do Estado

Renato Casagrande (PSB) é eleito novo governador do Espírito Santo com 65% dos votos válidos e retorna ao cargo após quatro anos distante
Z4
Renato Casagrande (PSB) é eleito novo governador do Espírito Santo com 65% dos votos válidos e retorna ao cargo após quatro anos distante

Renato Casagrande (PSB) é o novo governador do Espírito Santo. O resultado, confirmado pela Justiça Eleitoral às 18h48 deste domingo (7) após apuração de 94% das urnas, indicou que o candidato já não será mais ultrapassado pela soma dos votos de seus adversários e, portanto, está eleito ainda no primeiro turno das eleições no Espírito Santo.

Leia também: Fiscalizar, analisar e julgar: o que fazem os senadores em oito anos de mandato?

No total, mais de 1,7 milhão de eleitores participaram da votação para eleger o novo governador do Espírito Santo nesse domingo, número que equivale a 86% dos mais de 2,7 milhões de eleitores do Estado. Renato Casagrande (PSB) obteve 55,37% (mais de 993 mil votos válidos) até o momento.

Enquanto isso, seus adversários mais próximos obtiveram: Manato (PSL), 27,43% dos votos válidos; Jaqueline Rocha (PT), 7,35%; Rose de Freitas (Podemos), 5,50%; Professor Aridelmo Teixeira (PTB), 3,22%; e André Moreira (PSOL), 1,16% dos votos válidos.

Com 18 partidos na sua coligação, Renato Casagrande (PSB) volta ao cargo de governador do Espírito Santo que já ocupou entre 2011 e 2014. Na ocasião, ele foi eleito em 2010 com 82,3% dos votos, mas perdeu a tentativa de reeleição em 2014 para o atual governador Paulo Hartung (MDB), quando obteve 39% dos votos válidos contra 53% do seu adversário.

Paulo Hartung (MDB), porém, decidiu não concorrer à reeleição e afirmou que era hora de "passar o bastão", o que abriu espaço para uma nova vitória de Casagrande no primeiro turno. Como Hartung já havia sido eleito governador em outros dois mandatos, os dois se revezam no cargo desde 1º de janeiro de 2003. Um ciclo que deve se perpetuar até, pelo menos, 31 de dezembro de 2022, quando o mandato do futuro novo governador eleito hoje, nas eleições no Espírito Santo 2018, hoje se encerrará.

Desafios do novo governador do Espírito Santo

Palácio Anchieta, sede do poder executivo estadual, será o local de trabalho do novo governador do Espírito Santo, Renato Casagrande (PSB)
Gláucio Martins
Palácio Anchieta, sede do poder executivo estadual, será o local de trabalho do novo governador do Espírito Santo, Renato Casagrande (PSB)

A ampla coalizão formada pelo governador eleito deve ajudá-lo a superar as dificuldades que o Estado enfrenta, sobretudo, na área da educação, segurança pública e meio ambiente.

No Espírito Santo, apesar da taxa de analfabetismo de 5,5% ser menor do que a média nacional de 7%, enquanto o índice de desemprego no estado é de 8%, 23% dos jovens entre 16 e 24 anos não estudam nem trabalham. Caberá, portanto, ao novo governador procurar gerar oportunidades de emprego para os jovens que encontram dificuldades para ingressar no mercado de trabalho.

Ainda no que diz respeito ao cenário econômico, o rendimento médio mensal no Espírito Santo é de R$ 1.205, um padrão baixo considerando que ele faz parte da região mais rica do Brasil explicado em parte pelas atividades produtivas se concentrarem na agricultura, com destaque para o café e a cana-de-açúcar e na pecuária, com gado de corte e leiteiro.

A indústria de alimento, madeira, produção têxtil, por sua vez, também são parte importante da formação do PIB do Espírito Santo, enquanto que a capital, Vitória (ES), uma ilha, é considerada relevante porto de exportação de minério de ferro.

Da mesma forma, a segurança pública também apresenta-se como um dos principais desafios para Renato Casagrande (PSB). Isso porque, conforme o Atlas da Violência 2018, a taxa de homicídios é de 32 para cada 100 mil habitantes, a segunda maior da região Sudeste, atrás apenas do Rio de Janeiro, um estado sob intervenção militar do governo federal.

Esses índices foram alvos de atenção nacional e de muita reclamação da população sobretudo quando o Estado enfrentou a  greve dos policias militares e civis em 2017 e  obrigou a Força Nacional a ser deslocada para o local para fazer o policiamento já que várias regiões do estado ficaram completamente abandonadas sendo alvos de saques, roubos e homicídios.

Os policiais exigiam do governo um reajuste salarial, alegando que tinham "um dos menores salários do País", e a retomada do investimento na corporação já que as viaturas estavam em péssimas condições, o hospital da PM sucateado e faltava, inclusive, coletes à prova de balas e munição. O atual governador, Paulo Hartung, classificou a paralisação, à época, como chantagem.

Já na área ambiental, o Espírito Santo é um dos estados banhados pelo Rio Doce que ainda colhe um legado de aprendizado e problemas decorrentes do rompimento da barragem da mineradora Samarco em Mariana, Minas Gerais, em novembro de 2015. Um crime ambiental de tais proporções que ainda hoje é difícil calcular os impactos ambientais e sociais nas regiões atingidas pelo dejetos.

Ainda na área ambiental, os dados apontam que em torno de 86% dos domicílios do Estado contam com coleta de lixo e abastecimento de água, já as condições de saneamento básico estão presentes em apenas 78% das residências.

Leia também: A duas semanas das eleições, 12 candidatos a governador podem vencer no 1º turno

O novo governador do Espírito Santo , Renato Casagrande (PSB), terá, portanto, além de ampliar o acesso da população carente a esses serviços, combater a prática ilegal de algumas regiões nobres do Estado que não são ligadas à rede de tratamento para evitar o aumento na conta de água em até 80%.