Tamanho do texto

Jair Bolsonaro quer que reportagens sobre suposta funcionária fantasma sejam excluídas da internet; “Wal” foi exonerada do cargo

Jair Bolsonaro pede ao TSE exclusão de reportagens contra si da internet
Divulgação
Jair Bolsonaro pede ao TSE exclusão de reportagens contra si da internet

O deputado federal Jair Bolsonaro (PSL), candidato à presidência da República, entrou com uma ação no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) requisitando que as reportagens publicadas na Folha de S.Paulo que façam referência à Walderice Santos, a “Wal”, como é conhecida, sejam excluídas da internet.

Leia também: Ministro libera denúncia contra Bolsonaro para julgamento no STF ainda em agosto

A defesa de Jair Bolsonaro pede, ainda, direito de resposta no jornal. Os advogados do deputado argumentam que ele foi caluniado pelos jornalistas. De acordo com a Folha , Wal seria uma funcionária fantasma do deputado. Ela prestaria serviços pessoais a ele, sendo paga com verbas da Câmara.

O assunto voltou à tona quando, questionado por Guilherme Boulos (PSOL) em um debate entre os presidenciáveis sobre quem é Walderice Santos, Bolsonaro disse tratar-se de uma funcionária de seu gabinete parlamentar.

Em janeiro deste ano, uma reportagem publicada na Folha   havia mostrado que capitão reformado usava verba da Câmara para pagar uma funcionária que vive em um distrito a 50km de Angra dos Reis (RJ). A assessora de Bolsonaro , explicou o candidato, estaria de férias quando a reportagem do jornal a encontrou trabalhando em uma loja de açaí.

Buscando passar a limpo a história, os repórteres do jornal retornaram, em agosto, ao pequeno município fluminense.

Leia também: Crítico do Ibope, autor de "pesquisa oficial do Face" diz que ajudaria Bolsonaro

Os jornalistas encontraram Wal , como ela é conhecida, na mesma banca de açaí, trabalhando. O marido da vendedora, Edenilson, é caseiro de Bolsonaro , que possui uma casa de veraneio na cidade.

Questionada pelos repórteres se era certo que ela recebesse dinheiro da Câmara para prestar serviços pessoais ao candidato à Presidência , Walderice disse: “Mas aí é uma coisa que cabe a ele responder”.

De acordo com as regras da Câmara, os assessores parlamentares precisam trabalhar de forma exclusiva para o gabinete parlamentar durante 8 horas diárias.

Questionado pelo jornal, Bolsonaro alegou que Wal tem como função reportar a ele e ao chefe de seu gabinete “qualquer problema na região”. A  Folha  pediu ao deputado que desse exemplos de serviços do tipo prestados por ela, mas ele não soube informar nenhum.

Minutos após a visita dos repórteres, a assessora de Jair Bolsonaro  informou que iria se demitir do cargo. O deputado, então, exonerou Wal.

Leia também: Lula lidera com 39% das intenções de voto, e Bolsonaro tem 19%, aponta Datafolha

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.