Da Cunha contratou produtor de filmes para gravar e divulgar operações policiais
Reprodução
Da Cunha contratou produtor de filmes para gravar e divulgar operações policiais

Carlos Alberto da Cunha, delegado de 43 anos da Polícia Civil de São Paulo , contratou os serviços de um cineasta para roteirizar, gravar, editar e promover os vídeos das operações policiais em seu canal no YouTube. As informações são do jornalista Josmar Jozino.

James Jay Maas Salinas, de 34 anos, foi ouvido em 11 de agosto por Marquel de Araújo, delegado da Divisão de Apurações Preliminares da Corregedoria da Polícia Civil, e confirmou os trabalhos com o policial em fevereiro de 2020 durante a produção do vídeo que retrata a prisão de Wislan Ramos Ferreira, de 31 anos, conhecido como "Jagunço". A ação ocorreu no dia 30 de abril de 2020, em Itaquaquecetuba.

Segundo o produtor de filmes, a gravação foi realizada em três etapas. A primeira, realizada um dia antes da prisão na 8ª Delegacia Seccional - em São Matheus, zona leste de São Paulo; a segunda, momentos antes da prisão, no momento em que Da Cunha passa instruções à equipe em um posto de gasolina em Poá-SP; a terceira etapa ocorreu durante a prisão do Jagunço. A divulgação deu-se no formato de uma série, com três vídeos.

James relatou à Corregedoria que as câmeras Go Pro que o delegado e sua equipe utilizavam foram emprestados por ele. Os equipamentos eram acoplados ao uniforme policial. Os acordos de trabalhos cinematográficos foram encerrados com Da Cunha em 27 de julho de 2021.


Questionado, o delegado afirmou que está tranquilo e que as acusações que o cercam são absurdas. Da Cunha admitiu ter contratado os serviços de James, mas ressaltou que não houve monetização dos vídeos.

Da Cunha é alvo de um inquérito policial instaurado pela Polícia Civil para apurar se o agente de segurança se utilizou das armas, viaturas e servidores para se promover. Seu canal do YouTube possui 3,6 milhões de inscritos.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários