Mulher caminha diante de prédio residencial em Kiev, capital da Ucrânia, bombardeado pela Rússia
Ansa
Mulher caminha diante de prédio residencial em Kiev, capital da Ucrânia, bombardeado pela Rússia

O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, admitiu nesta quarta-feira (20) que os objetivos do país na Ucrânia vão além das conquistas de Donetsk e Lugansk, províncias de maioria étnica russa na região do Donbass.

"A geografia agora é diversa. Não há apenas as repúblicas populares de Donetsk e Lugansk, mas também as regiões de Kherson e Zaporizhzhia e uma série de outros territórios, e esse processo continua, de modo constante e obstinado", disse Lavrov em entrevista à agência Ria-Novosti e ao canal RT, ambos estatais.

No início da guerra, em fevereiro, a Rússia chegou a tentar conquistar a capital Kiev, mas recuou diante da resistência ucraniana e passou a se concentrar na tomada de todo o Donbass, que já era palco de conflitos separatistas desde 2014.

No entanto, as tropas russas também já controlam a maior parte da província de Kherson e miram a vizinha Zaporizhzhia, que são cruciais para estabelecer um corredor terrestre entre a Crimeia anexada e o Donbass.

Ainda de acordo com Lavrov, o envio de armas de longo alcance pelo Ocidente fará com que a Rússia leve "ainda mais longe" seus "objetivos estratégicos".

"Não podemos permitir que a parte da Ucrânia controlada por Zelensky, ou por quem o substituir, tenha armas que representem uma ameaça direta a nosso território e o das repúblicas que declararam sua independência [Donetsk e Lugansk]", ressaltou. 

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o  perfil geral do Portal iG.


    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários