União Soviética: russos podem reeditar bloco por causa da guerra?
Reprodução / Record News - 31.03.2022
União Soviética: russos podem reeditar bloco por causa da guerra?

guerra entre Rússia e Ucrânia abriu um novo capítulo na geopolítica internacional. Sanções nunca antes vistas para os russos isolaram o  país de Vladmir Putin, e as consequências ainda poderão ser sentidas por muito tempo, segundo especialistas. Com o isolamento e a falta de perspectiva, pode surgir a dúvida: a Rússia poderia formar uma nova União Soviética (URSS) para se manter forte política e economicamente?

Neste ano de 2022, a criação da URSS completa 100 anos. Em 1922, a formação da União Soviética foi estabelecida na lógica de separar os territórios seguindo características étnicas e culturais. O episódio marcou a história da humanidade e o bloco perdurou até o fim de 1991.

Apesar do marco de 100 anos e o recente isolamento russo, o especialista Leandro Consentino não acredita que uma nova União Soviética poderia se formar. Hoje é muito mais difícil, o contexto de hoje não é o contexto de 100 anos atrás, quando a União Soviética foi formada. O contexto geopolítico é totalmente diferente”.

“Acho que é difícil reeditar aquilo porque a URSS era imbuída de uma questão ideológica, o socialismo, uma alternativa ao modelo ocidenteal”, completa.

Um ponto importante também colocado é a questão da soberania nacional. Para o especialista em relações internacionais e diretor do Instituto Global Attitude, Rodrigo Reis, dificilmente os países hoje em dia, mesmo que aliados da Rússia, abririam mão da soberania nacional para fazer parte de um bloco centralizado, como era na época da União Soviética.

“As repúblicas que fizeram parte da União Soviética lutaram muito pela sua independência e, mesmo tendo relações comerciais e econômicas com a Rússia, acho que elas não abririam mão da sua soberania e independência”.

União das Repúblicas Socialistas Soviéticas
Reprodução/ Brasil Escola
União das Repúblicas Socialistas Soviéticas

Para Leandro Consentino, outro ponto que deve ser levado em consideração é o fator  Vladmir Putin, que atrai olhares ocidentais por conta de sua política externa polêmica e faz com que a Rússia sofra com as sanções. 

“Eu acho que o problema é Putin. Uma vez que a Rússia não tiver mais Putin no poder, sendo uma Rússia que busca mais aproximação com o ocidente, com reinserção internacional, o ocidente vai voltar a abrir os braços para os russos e integrá-los novamente (..) mas, nesse contexto atual, com o Putin, é muito mais difícil escapar desse isolamento sem um bloco de apoiadores, o que a Rússia poderia buscar é uma aliança com países aliados, como a China, por exemplo”, afirma o especialista.

Aliados russos atualmente

Os principais aliados da Rússia pertencem a um bloco chamado de Organização do Tratado de Segurança Coletiva (OTSC). Além da própria Rússia, os países da OTSC são:

  • Armênia
  • Belarus
  • Cazaquistão
  • Quirguistão
  • Tajiquistão

A OTSC foi formada no começo dos anos 1990, após o fim do Pacto de Varsóvia e da Guerra Fria.

O Pacto de Varsóvia foi um bloco formado em 1955 pela então União Soviética com outras nações que tinham a mesma influência. O pacto foi uma reação à Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), que havia sido criada na década anterior.

Tanto o Pacto de Varsóvia quanto a Otan tinham o mesmo objetivo: garantir que todos os Estados membros reagissem militarmente a qualquer agressão a outro Estado membro de forma conjunta.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o  perfil geral do Portal iG.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários