Joe Biden ainda disse que movimento liderado por Trump representa um perigo para a democracia norte-americana
Reprodução
Joe Biden ainda disse que movimento liderado por Trump representa um perigo para a democracia norte-americana

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden , descreveu nesta quarta-feira os apoiadores de seu  antecessor republicano Donald Trump como um grupo "extremista", em uma forte escalada retórica antes das eleições cruciais de meio de mandato em novembro.

Falando com jornalistas sobre a possível supressão do direito ao aborto pela Suprema Corte, Biden alertou que o movimento "Faça a América Grande Novamente" (Maga, na sigla em inglês) liderado por Trump representa um perigo para os valores democráticos americanos.

"Quais são as próximas coisas que serão atacadas? Porque essa multidão do Maga é realmente a organização política mais extrema que já existiu na história americana, na história americana recente", disse Biden.

A Casa Branca vê a possível derrubada da decisão histórica Roe vs Wade, que estabeleceu o direito do aborto nos EUA, como uma oportunidade para galvanizar os eleitores antes das eleições de meio de mandato. Na terça, Biden pediu que os americanos votem nas eleições legislativas de novembro em defesa do direito fundamental ao aborto.

Nesta quarta, Biden também descreveu as políticas econômicas republicanas como "extremas, assim como a maioria das coisas do Maga".

O presidente classificou as iniciativas republicanas como favoráveis aos ricos, em contraste com sua agenda, que ele disse ser voltada para a classe trabalhadora, uma questão que provavelmente será pressionada com força na campanha antes das eleições de novembro, que decidirão quem irá controlar o Congresso.

Na atual configuração, os democratas têm apenas uma pequena maioria na Câmara dos Deputados. Já o Senado está dividido ao meio, com 50 senadores democratas e 50 republicanos — neste caso o partido de Biden tem uma vantagem em caso de empates em votações, já que a vice-presidente Kamala Harris tem o voto de minerva.

Biden, que derrotou Trump em 2020, começou em seu período na Presidência em grande parte tentando evitar mencionar o republicano. Mas Trump, que em um movimento sem precedentes na democracia americana moderna continua alegando falsamente que o pleito foi fraudado e que ele foi o vencedor, continua sendo uma força poderosa.

Trump já disse que provavelmente buscará a Presidência novamente em 2024, configurando uma possível revanche contra Biden. Enquanto isso, o republicano vem mostrando seu poder eleitoral com seu endosso a candidatos vencedores nas primárias de seu partido antes das eleições de meio de mandato.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.


    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários