Macron foi reeleito Presidente da França em 24 de abril deste ano
Reprodução
Macron foi reeleito Presidente da França em 24 de abril deste ano

Formando uma frente legislativa para impedir que o  presidente reeleito Emmanuel Macron alcance uma maioria nas eleições parlamentares de junho, o Partido Comunista Francês (PCF) fechou um acordo com a sigla da esquerda radical França Insubmissa (LFI) nesta quarta-feira, no mesmo dia em que o Partido Socialista (PS) concordou em princípio com o LFI em fazer parte dessa coalizão de esquerda.

A frente unida anti-Macron já havia ganhado impulso no domingo, com os Verdes também fechando acordo com o LFI, partido do terceiro colocado na eleição presidencial, Jean-Luc Mélenchon. As siglas pretendem realizar no sábado, mesmo dia da posse do segundo mandato de Macron, um evento de lançamento da aliança, segundo um comunicado em conjunto do LFI e do PS nesta quarta.

No comunicado, as duas siglas anunciaram um avanço nas negociações para que os socialistas entrem na coalizão. O comitê nacional do PS irá realizar uma reunião nesta quinta, quando decidirá se aprova ou não a união.

Se o pacto de coalizão for fechado, será a primeira vez que a esquerda francesa se unirá em 20 anos — mas desta vez sob o comando da LFI.

"Queremos ter legisladores na maioria dos eleitorados, para evitar que Emmanuel Macron continue sua política injusta e brutal... e derrotar a extrema direita", disseram os socialistas e a LFI no comunicado, publicado após dias de negociações difíceis.

O acordo tomou forma sob a liderança do chefe da LFI, Mélenchon, que por pouco mais de 1% dos votos ficou de fora do segundo turno da eleição presidencial — sendo superado pela candidata de extrema direita Marine Le Pen —, um resultado muito melhor do que o do PS.

Mélenchon rompeu com o PS em 2008 depois de não conseguir alterar ideias pró-União Europeia da sigla, o que ficou evidente no acordo de quarta-feira, em que o PS — outrora totalmente pró-europeu — concordou em "desobedecer" ou pelo menos "afastar-se temporariamente" das regras da UE sobre uma série de questões econômicas, sociais e orçamentais políticas.

A declaração, ainda a ser aprovada pelo comitê nacional do PS, diz que ambas as partes querem que a UE se concentre mais nos direitos sociais e na proteção do meio ambiente.

As políticas da nova aliança de esquerda também incluem planos para reduzir a idade de aposentadoria de 62 para 60 anos, aumentar o salário mínimo e limitar os preços de produtos essenciais.

Ponto de inflexão

Apesar de ter vencido o segundo mandato presidencial no mês passado, Macron também precisará de uma maioria no Parlamento para conseguir governar e impulsionar suas políticas pró-negócios, incluindo o aumento da idade de aposentadoria para 65 anos — algo muito impopular entre os eleitores de esquerda.

Se confirmado pelo PS na quinta-feira, o sucesso de Mélenchon em fechar o acordo com um partido que há muito era a força dominante da esquerda marcaria um ponto de inflexão. Desde a Segunda Guerra Mundial, o PS deu à França dois presidentes e foi uma força motriz para a integração europeia.

Mas os socialistas tiveram pouca influência nas negociações. Sua candidata presidencial, a prefeita de Paris, Anne Hidalgo, obteve apenas 1,75% dos votos na votação do mês passado, enquanto Mélenchon ficou em terceiro com 22%.

Veteranos socialistas, incluindo o ex-líder do partido Jean-Christophe Cambadelis, já pediram a outros membros que bloqueiem o acordo, dizendo que poderia marcar o fim de uma força pró-UE à esquerda.

Corinne Narassiguin, líder sênior do partido, disse que o acordo — segundo o qual apenas um legislador de cada partido que se juntar à aliança concorrerá em qualquer distrito eleitoral — prevê que o PS terá apenas 70 candidatos na França continental. No total, a câmara baixa francesa tem 577 legisladores.

Uma pesquisa recente da Harris Interactive mostrou um cenário com uma esquerda unida e uma aliança entre o partido centrista de Macron e os conservadores correndo lado a lado, cada um com 33% dos votos legislativos. No entanto, no sistema eleitoral de dois turnos da França, as projeções mostram que isso ainda pode render a maioria dos assentos para Macron.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.


    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários