Ditador Kim Jong-un de jaqueta de couro e óculos escuros de estilo aviador andando no meio de dois militares
Reprodução - 25.03.2022
Ditador Kim Jong-un de jaqueta de couro e óculos escuros de estilo aviador andando no meio de dois militares

A TV estatal da Coreia do Norte, KCTV, fez uma produção "hollywoodiana" para mostrar para a população o último lançamento de um novo míssil balístico intercontinental (ICBM) , ocorrido nesta quinta-feira (24).

Nas imagens veiculadas, o ditador Kim Jong-un aparece com um estilo do ator Tom Cruise em "Top Gun": jaqueta de couro e óculos escuros de estilo aviador andando no meio de dois militares e à frente do lançador gigantesco do míssil.
Ao chegar no hangar de testes, Kim caminha em tom triunfal, olha para o relógio e dá a autorização para o disparo do dispositivo com um aceno de cabeça.

O míssil Hwasong-17 foi o primeiro ICBM a fazer um teste completo desde 2017 e marca mais um passo na aceleração do programa de mísseis norte-coreano neste ano. Para os Estados Unidos, o ato é uma "flagrante violação" das regras do Conselho de Segurança da ONU.

A capacidade desse tipo de equipamento é imensa, podendo atingir praticamente todo o território continental dos EUA com precisão.

O lançamento foi destaque em todas as suas fases de operação na mídia estatal: na agência de notícias KCNA, no jornal Rodong Sinmun e, por último, na KCTV.

Além das imagens estilizadas do lançamento, a matéria afirma que a Coreia do Norte está "pronta para um confronto" com os EUA por conta do "sucesso histórico" no lançamento desse ICBM. O texto ainda destaca que ele foi lançado do aeroporto internacional de Pyongyang e viajou a uma altitude máxima de 6.248,5 quilômetros, voando a uma distância de 1.090km por 4.052 segundos "antes de atingir com precisão uma área marítima pré-estabelecida" no Mar do Japão.

"O novo míssil tornaria de novo o mundo inteiro claramente consciente do poder das nossas forças armadas estratégicas [...] e estamos completamente prontos para um confronto de um longo período com os imperialistas estadunidenses", disse Kim à emissora.

Leia Também

Os novos testes realizados em 2022 ocorrem em meio aos temores do aumento da tensão na região da península coreana . As tratativas para a desnuclearização da Coreia do Norte estão paradas desde fevereiro de 2019, quando o então presidente norte-americano Donald Trump abandonou as conversas.

Reações - Nesta sexta-feira (25), mais reações internacionais ocorreram contra o lançamento do míssil.

"A União Europeia condena firmemente o lançamento por parte da República Popular Democrática da Coreia de um míssil balístico intercontinental em 24 de março. Trata-se de uma violação das múltiplas resoluções do Conselho de Segurança das Nações Unidas e de uma grave ameaça à paz e à segurança internacional e regional", disse o alto representante para a Política Externa, Josep Borrell.

O documento ainda pede que Pyongyang "abandone as armas nucleares" e que a ONU "aja para atuar plenamente as sanções do Conselho de Segurança".
Já a Casa Branca voltou a se manifestar por meio do porta-voz do Departamento de Segurança Nacional, Jake Sullivan, e disse que os EUA acreditam que os norte-coreanos "têm certamente outras coisas em seu programa de desenvolvimento".

A China, que é uma das poucas aliadas do regime de Kim Jong-un, afirmou que "as sanções não ajudarão a resolver os problemas da península coreana" e que Pequim "sempre apoiou que o diálogo e a consulta como os únicos meios" de seguir para o caminho da paz.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. 

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários