Marina Ovsyannikova com cartaz contra a guerra durante jornal do Canal Um, da Rússia
Reprodução O Globo
Marina Ovsyannikova com cartaz contra a guerra durante jornal do Canal Um, da Rússia

A editora e jornalista russa Marina Ovsyannikova, que ficou mundialmente famosa após fazer um protesto contra a guerra na Ucrânia durante o jornal noturno do "Canal 1", foi acusada de ser espiã do Reino Unido.

Em um vídeo divulgado nesta segunda-feira (21), o diretor-geral da emissora russa, Kirill Kleymenov, disse que a editora estaria trabalhando para os serviços de inteligência britânicos e acusou-a de "ter traído o seu país".

"Pouco antes do protesto, segundo nossas informações, Ovsyannikova falou com a embaixada britânica", disse ele, citado também por vários meios de comunicação do Reino Unido.

Segundo Kleymenov, "traição é sempre uma escolha pessoal, mas nós temos que chamar as coisas pelos nomes. Se tivessem chamado a traição de Judas um ato de paixão, a história teria sido diferente".

Leia Também

O governo britânico, por sua vez, rebateu a acusação e disse que Ovsyannikova "não tem relação" com Londres, e a declaração "é apenas mais uma mentira passada pela máquina de desinformação" do Kremlin, informou o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores do governo de Boris Johnson.

Na semana passada, a jornalista interrompeu a transmissão do jornal russo, um dos mais assistidos do país, carregando um cartaz em que pedia o fim da guerra na Ucrânia e dizia que a mídia e o governo estavam "mentindo" para a população.

Logo depois do protesto, Ovsyannikova foi detida e levada para uma delegacia, onde foi interrogada por mais de 14 horas. Apesar de correr o risco de pegar até 15 anos de prisão por usar o termo "guerra" sobre a invasão na Ucrânia, a justiça aplicou uma multa de 30 mil rublos (cerca de R$1,4 mil) e a libertaram.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários