Sites do governo russo são alvos de ciberataques 'sem precedentes'
Pixabay
Sites do governo russo são alvos de ciberataques 'sem precedentes'

Sites do  governo russo estão enfrentando ataques cibernéticos "sem precedentes", admitiu nesta quinta-feira o Ministério de Tecnologia da Informação. Nas últimas semanas, várias entidades governamentais e empresas estatais foram alvo de ataques, incluindo vários sites do Kremlin, da transportadora Aeroflot e do banco Sberbank.

Segundo o ministério, esforços técnicos estão sendo feitos para filtrar o tráfego da web estrangeira.

"Se anteriormente sua potência, nos momentos de pico, atingiu 500 gigabytes, agora está em 1 terabyte", revelou. "Isso é duas a três vezes mais poderoso do que os incidentes mais graves desse tipo relatados anteriormente".

À medida que a Rússia se torna cada vez mais isolada dos sistemas financeiros e cadeias de suprimentos globais, o governo propôs uma série de medidas para apoiar o setor de TI (Tecnologia de Informação). Citando documentos preliminares do governo, a Interfax informou na quarta-feira que o ministério havia proposto alocar 14 bilhões de rublos (US$ 134,30 milhões) para apoiar empresas de TI na forma de subsídios. Com isso, as companhias teriam acesso a condições preferenciais de impostos e empréstimos.

Leia Também

O ministério também já sugeriu que as empresas russas de TI discutissem uma transferência faseada de componentes de suporte técnico com empresas estrangeiras.

A Ucrânia, por sua vez, também vem sendo atacada. Horas antes de as tropas russas começarem a invasão do país, dezenas de sites de instituições e bancos ucranianos ficaram inacessíveis, no que autoridades locais e serviços de monitoramento digital afirmaram ser um ataque contra o país — o terceiro do tipo neste ano.

Em resposta, o governo da Ucrânia fez um apelo a hackers e especialistas em segurança para criar “um exército de TI”. Hoje, há cerca de 35 mil inscritos no canal de Telegram usado para a convocação, mas não se sabe exatamente quantos são “soldados” ou quantos são jornalistas, pesquisadores ou apenas curiosos. A maior parte das tarefas é defensiva, mas existia a possibilidade de serem usados em ações ofensivas contra a Rússia.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.


    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários