Em Milão o protesto reuniu aproximadamente 30 mil pessoas
foto: ANSA
Em Milão o protesto reuniu aproximadamente 30 mil pessoas

As cidades italianas de Roma e de Milão registraram grandes protestos neste sábado (26) contra o ataque da Rússia contra a Ucrânia .

Na capital, os atos pedindo pelo fim dos conflitos contaram com a presença dos ministros da Saúde, Roberto Speranza, e do Trabalho, Andrea Orlando, além dos presidentes dos três maiores sindicatos do país Maurizio Landini (CGIL), Luigi Sbarra (CISL) e Ivana Veronese (UIL).

Já em Milão, cerca de 30 mil pessoas compareceram em um protesto que se alastrou por diversas ruas da cidade. Diversos centros sociais, organizações não governamentais e partidos políticos participaram também do ato. A cidade tem uma grande comunidade ucraniana, que se uniu à manifestação italiana.

Protestos contra a guerra também foram registrados nas capitais europeias: Paris, Londres, Berlim e Bucareste.

Leia Também

Os países da União Europeia são unânimes em condenar a guerra iniciada na última quinta-feira (24) por ordens do presidente da Rússia, Vladimir Putin, que classificou o ataque como uma "operação especial". Desde então, as tropas russas avançaram por diversas cidades ucranianas e, atualmente, cercam a capital Kiev.

Conforme o presidente Volodymyr Zelensky, há cerca de 100 mil soldados russos no território, mas o país irá "resistir e lutar pelo futuro dos nossos filhos" a todos os custos.

Entre no canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários