Biden
Reprodução
Candidato democrata já superou a companheira que disputou em 2016

O candidato democrata à Presidência dos Estados Unidos, Joe Biden , ultrapassou na madrugada desta quarta-feira o número de delegados ao Colégio Eleitoral obtidos por Hillary Clinton em 2016, apontam projeções da imprensa americana. Segundo levantamento da Associated Press, Biden já assegurou 238 votos no Colégio Eleitoral. São necessários 270 para a vitória. O ex-vice-presidente americano ultrapassou a marca do pleito passado após ser declarado o vencedor no estado do Arizona.

Há quatro anos, contrariando projeções de institutos de pesquisa, Hillary venceu no voto popular, mas perdeu para Trump no Colégio Eleitoral por conta de uma pequena margem de votos, concentrados principalmente no chamado Cinturão da Ferrugem, formado por estados do Meio-Oeste marcados pela desindustrialização. É justamente nesta região que o presidente republicano e Biden disputam voto a voto o caminho até a Casa Branca, depois da vitória de Trump na Flórida.

Embora o republicano lidere a apuração em alguns estados do Meio-Oeste, analistas políticos sugerem cautela na análise das projeções iniciais em razão da quantidade sem precedentes de votos antecipados, incluindo aqueles enviados pelo correio. Com a pandemia da Covid-19 , mais de 100 milhões de americanos optaram por votar antes da data oficial da votação para evitar aglomerações, um índice recorde. Como a contabilização destes votos é mais lenta em estados cruciais como a Pensilvânia, os especialistas sustentam que a eleição ainda está em jogo.

Até o momento, Biden foi declarado vencedor em 17 estados e na capital, Washington,e soma 66 milhões de votos, segundo levantamento do New York Times. O presidente, por sua vez, venceu no Texas e na Flórida, estados chave pelo número alto de delegados. O jornal projeta 61 milhões de votos para o republicano até o fechamento deste texto. Hillary, ex-primeira-dama dos EUA (1993-2001) e secretária de Estado no primeiro mandato de Barack Obama (2009-2013), terminou a disputa de 2016 com 65 milhões de votos, três milhões a mais do que Trump.

Sem provas, Trump denunciou uma suposta fraude eleitoral e anunciou que irá à Suprema Corte para interromper o que chamou de "votação" em alguns estados  — uma alegada referência aos votos enviados pelo correio e que, de acordo com várias legislações estaduais, podem ser contados mesmo que cheguem dias depois do encerramento oficial da votação, em 3 de novembro. Durante a campanha, o presidente lançou repetidamente dúvidas sobre a lisura dos votos pelo correio. Na madrugada de quarta-feira, pelo Twitter, o republicano acusou os democratas de "roubarem a eleição". A rede social posteriormente sinalizou a publicação como uma fonte potencial de desinformação.

A eleição de 2000 também foi marcada pela judicialização. A disputa entre Bush e Gore pela recontagem de votos na Flórida terminou na Suprema Corte , que decidiu pela interrupção do processo, selando a vitória do republicano. Na reta final da campanha, Trump sugeriu que a eleição deste ano também poderia terminar no tribunal.

    Veja Também

      Mostrar mais