Kim Jong-un
kcna
Kim Jong-un

Após  ter implodido o edifício usado para os contatos com a Coreia do Sul, a Coreia do Norte ameaçou nesta quarta-feira (17) aumentar sua presença militar na zona desmilitarizada na fronteira entre os dois países.

Segundo a agência oficial KCNA, a poderosa irmã de Kim Jong-un, Kim Yo-jong, rejeitou uma oferta do presidente sul-coreano, Moon Jae-in, de mandar enviados especiais ao Norte para retomar o diálogo.

Leia também

De acordo com Kim Yo-jong, a proposta é "sem tato e sinistra". Já Seul respondeu que os comentários da irmã de Kim são "muito rudes e sem sentido". "Não vamos mais tolerar atos e discursos irracionais do Norte", afirmou o porta-voz da Presidência da Coreia do Sul, Yoon Do-han.

Você viu?

O Ministério da Defesa de Seul ainda afirmou que Pyongyang vai "pagar o preço" se cumprir suas ameaças. Na última terça (16), o regime de Kim Jong-un implodiu o escritório que havia sido montado para melhorar a comunicação com o Sul. Um dia antes, o Norte também havia interrompido todos os contatos militares e políticos com o país vizinho.

A crise fez o ministro de Unificação da Coreia do Sul, Kim Yeon-chul, renunciar ao cargo, assumindo a responsabilidade pela piora nas relações com o Norte. A escalada da tensão começou após Pyongyang reclamar que ativistas sul-coreanos mandaram panfletos contra o regime de Kim Jong-un para o outro lado da fronteira.

Em 1º de janeiro, no entanto,  Kim já havia anunciado o fim da moratória em testes de armas nucleares e mísseis balísticos, reabrindo a espiral de tensão com os Estados Unidos e o Sul.

Esses testes estavam suspensos por conta das negociações para desnuclearizar a península, mas as conversas seguem travadas desde fevereiro de 2019, quando o presidente Donald Trump abandonou de forma abrupta uma cúpula bilateral em Hanói, no Vietnã.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários