irã arrow-options
Tasnim News Agency/Mohmood Hosseini
Funeral do general iraniano morto pelos EUA emocinou grande parte da população do Irã

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, pediu à comunidade internacional, nesta quinta-feira (23), no museu Yad Vashem, em Jerusalém, que enfrente o Irã para evitar "outro Holocausto ".

Leia também: São Paulo tem 33 ruas que homenageiam personagens e datas da ditadura

"Peço a todos os governos que se unam aos esforços vitais para enfrentar o Irã",  afirmou o premier israelense em seu discurso na abertura das cerimônias pelo 75º aniversário da libertação do campo de extermínio nazista de Auschwitz.

Netanyahu afirmou que Israel precisa fazer tudo o que estiver ao seu alcance para se defender. Ele ainda parabenizou os Estados Unidos pelas sanções impostas "aos tiranos de Teerã que ameaçam a estabilidade do Oriente Médio e do mundo".

"Não pode acontecer outro Holocausto", acrescentou o político, que acredita que o Irã é uma ameaça principalmente por seu programa nuclear e balístico. Nesta semana, o primeiro-ministro já havia recordado que "um terço dos judeus morreu em chamas - nos campos nazistas - e não pudemos fazer nada a respeito".

Leia também: Homem usa bomba de chimarrão para agredir e matar ex-namorada em Porto Alegre

"Depois do Holocausto, o Estado de Israel foi criado, mas as tentativas de destruir o povo judeu não desapareceram. O Irã declara todos os dias que quer apagar Israel da face da Terra", afirmou.

Em uma transmissão no YouTube, Netanyahu ressaltou que a primeira lição deixada por Auschwitz é "deter o mal desde o início". "O Irã é uma coisa muito ruim que ainda pode crescer com a arma nuclear". Hoje, cerca de 40 líderes mundiais se reuniram em Jerusalém para participar de diversos eventos com foco na luta contra o antissemitismo.

Entre as lideranças internacionais presentes estão os presidentes da Itália, Sergio Mattarella, da Rússia, Vladimir Putin, da França, Emmanuel Macron, o príncipe Charles, do Reino Unido, o vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, assim como os presidentes da Alemanha e Áustria.

Leia também: Passageiro "desaparece" em corrida e mensagem desesperada de motorista viraliza

"Sem os aliados, a quem somos eternamente gratos, não teríamos sobrevivido hoje, mas é preciso lembrar que 80 anos atrás, quando o povo enfrentou a destruição, o mundo nos deu as costas", disse Netanyahu.

O premier israelense ainda enfatizou que está preocupado com o fato de os líderes mundiais não terem desenvolvido uma posição unida contra o Irã, "o regime mais antissemita do planeta". Por sua vez, o vice-presidente americano, Mike Pence, concordou que o governo iraniano é o primeiro "gerador de antissemitismo" e exigiu firmeza para enfrentá-lo.

Já o presidente francês, Emmanuel Macron, afirmou que o Holocausto não pode ser usado para justificar a "divisão" ou "o ódio atual". "Ninguém tem o direito de convocar os seus mortos para justificar qualquer divisão ou ódio atual porque todos os que morreram nos obrigam à verdade, à memória, ao diálogo, à amizade", concluiu.

Leia também: Adolescente morre e outros quatro são internados após beberem "loló"

Durante encontro com seu homólogo israelense, Reuven Rivlin, o presidente da Itália, Sergio Mattarella, advertiu sobre a necessidade de se manter atento aos perigos do antissemitismo, da violência e do fascismo. O líder italiano ainda explicou que seu país tem consciência da necessidade de combater constantemente esse tipo de ódio, já que também teve sua "página sombria, particularmente grave" na história.

    Veja Também

      Mostrar mais