Tamanho do texto

Ex-presidente deixou o cargo após suposta fraude nas eleições de 20 de outubro na disputa por seu quarto mandato. Ele está refugiado na Argentina

Agência Brasil

Evo Morales arrow-options
Ansa
Evo Morales vive como refugiado na Argentina

O ex-presidente da Bolívia Evo Morales afirmou nesta seguinda-feira (13) que, se voltar ao país, será preciso "organizar, como na Venezuela , milícias armadas do povo". Na Venezuela, a milícia bolivariana é composta por civis e ex-oficiais militares e funciona como uma espécie de tropa de choque do presidente Nicolás Maduro .

Morales está refugiado na Argentina há um mês após deixar a Bolívia no dia 10 de novembro do ano passado, quando renunciou ao cargo de presidente. Depois das eleições do dia 20 de outubro, nas quais Morales foi anunciado vencedor em primeiro turno, a Bolívia foi palco de três semanas seguidas de manifestações.

Com fortes indícios de fraude eleitoral, depois confirmados em uma auditoria da Organização dos Estados Americanos (OEA), Morales viu-se pressionado pelas Forças Armadas a renunciar. Ele pediu, então, pediu asilo no México, onde ficou um mês, e depois seguiu para a Argentina.

Leia também: Bolívia investiga quase 600 ex-funcionários do governo Morales

Nesta segunda-feira (13), a presidente interina da Bolívia, Jeanine Áñez , reagiu às declarações de Morales. "A paz, a reconciliação e a democracia nunca foram opções para ele [Morales]. Diante da intenção de semear o terror e a violência, apenas encontrarão o povo boliviano unido e, frente às ameaças, nossa mais profunda vocação democrática", escreveu Jeanine em mensagem no Twitter.

Evo Morales afirmou ainda que seu erro foi não ter um plano alternativo para os conflitos que tomaram conta do país após as eleições. "Estávamos muito confiantes. O grande erro foi que não tínhamos um plano B."

BOLIVIA-ELECTION_MORALES_RESIGNATION
O ex-presidente da Bolívia, Evo Morales - Reuters/Direitos Reservados

Na opinião do vice-ministro de Coordenação e Gestão Governamental, Israel Alanoca, as declarações de Morales buscam semear o confronto entre bolivianos e tornam evidente seu desejo de incentivar a rebelião no país. O Ministério Público da Bolívia emitiu, no mês passado, um mandado de prisão contra Morales pelos crimes de terrorismo e rebelião.

"Já existe um processo em andamento e um mandado de prisão pelos crimes de rebelião, terrorismo e financiamento do terrorismo contra Morales. O que quer que ele faça irá somar ao processo, e pode até haver fatores agravantes", disse Alanoca.

Leia também: México garante proteção a aliados de Evo Morales: "Direito de asilo é sagrado"

Da Argentina, Morales chefia a campanha de seu partido, o Movimento ao Socialismo (MAS), para as próximas eleições, previstas para 3 de maio. Morales não irá concorrer, e o nome do candidato do MAS ainda não foi divulgado.

O representante do Conselho Nacional de Defesa da Democracia (Conade), Waldo Albarracín, alertou que a ameaça de Morales de criar milícias armadas na Bolívia é uma maneira de se vitimizar diante da opinião pública. Parece uma "criança que faz travessuras e, quando lhe chamam a atenção, reclama que os outros são maus com ele".

Leia também: Grupo de Morales provoca "guerra diplomática" entre Bolívia e México

Em mensagem no twitter, a chanceler boliviana, Karen Longaric, comentou a declaração de Morales sobre a criação de milícias armadas na Bolívia, como na Venezuela. "Isso é terrorismo, violações de direitos humanos, narcotráfico. A Bolívia pede à comunidade internacional que repudie essa ameaça e quem a fez", diz o texto.