Pedro Sánchez toma posse como primeiro-ministro espanhol acompanhado do Rei Filipe VI ao fundo
Reprodução/Twitter/sanchezcastejon
Pedro Sánchez toma posse como primeiro-ministro espanhol acompanhado do Rei Filipe VI ao fundo

Recém-eleito primeiro-ministro do governo espanhol , Pedro Sánchez (Psoe) assumiu nesta quarta-feira (8) o cargo no Palácio da Zarzuela. A cerimônia ocorreu na presença do rei de Espanha, Filipe VI. O líder socialista  prometeu cumprir as obrigações do cargo com lealdade ao rei. 

Ao final da cerimônia,  Pedro Sánchez mencionou a brevidade do ato, dizendo que foram "oito meses em 10 segundos". O rei respondeu com humor, afirmando que "foi rápido, simples e indolor" e que a dor vem depois.

O apoio necessário para que o líder socialista pudesse assumir novamente o cargo veio após votação apertada no Parlamento, em que ele recebeu 167 votos favoráveis e 165 contrários - houve 18 abstenções. Este foi o resultado mais apertado da história da democracia espanhola.

Leia também: Netanyahu parabeniza Trump e ameaça "golpe esmagador" contra o Irã

O resultado encerra um longo período de bloqueio político e dá início ao primeiro governo de uma coalizão de esquerda no país desde os anos 1970, que terá inicialmente quatro anos de mandato.

Você viu?

Pedro Sánchez chega ao parlamento após ser reeleito primeiro-ministro da Espanha
EVA ERCOLANESE
Pedro Sánchez chega ao parlamento após ser reeleito primeiro-ministro da Espanha

O pacto entre o Psoe e o Podemos foi batizado de " Coalizão Progressista " e prevê aumento de impostos para os mais ricos e grandes empresas, elevação do salário mínimo, ações contra as mudanças climáticas e políticas para garantir a igualdade de gênero tanto no poder público quanto no setor privado.

Pedro Sánchez assumiu o cargo de primeiro-ministro em junho de 2018. Seu mandato, no entanto, foi curto. Em fevereiro de 2019 ele convocou novas eleições após não conseguir aprovar o orçamento.

Tanto nas eleições de abril quanto na de novembro o Psoe saiu vitorioso, mas Sánchez se recusava a se aliar ao Podemos , outra grande forma do Congresso espanhol e teve dificuldade para formar um governo.

Leia também: Lula diz que EUA querem criar confusão: "Está me cheirando campanha eleitoral"

Ao todo, o país teve quatro eleições gerais durante os últimos quatro anos, sendo duas somente em 2019. Pedro Sánchez governou o país interinamente em um período de incerteza até, quase um ano depois, conseguir chegar a um acordo para formar uma coalizão de esquerda capaz de governar a Espanha.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários