Suspensão vai acabar duas semanas antes do prazo final da saída do Reino Unido da UE
Public Domain Pictures
Suspensão vai acabar duas semanas antes do prazo final da saída do Reino Unido da UE

A petição contra a suspensão do Parlamento, lançada após a iniciativa do primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, alcançou mais de um milhão de assinaturas.

Leia também: Manifestantes ocupam ruas do Reino Unido em protesto à suspensão do Parlamento

A petição solicita que o Parlamento não seja "suspenso ou dissolvido, a menos ou até que o período do Artigo 50 tenha sido suficientemente prorrogado", referindo-se à parte do Tratado de Lisboa sobre as maneiras pelas quais um país pode sair da União Europeia (UE).

Já de acordo com o jornal The Guardian , a petição já ultrapassou de 1,2 milhão de assinaturas.

Nesta quarta-feira (28), a rainha Elizabeth II aprovou o pedido do premier britânico para suspender as atividades do Parlamento a partir da segunda semana de setembro.

Você viu?

Segundo o Conselho Privado da Chefe de Estado do Reino Unido , a medida irá valer entre os dias 9 e 12 de setembro e acaba em 14 de outubro, apenas duas semanas antes do prazo final da saída do Reino Unido da UE, o chamado Brexit, previsto para 31 de outubro.

Leia também: Partidos fecham acordo por novo governo e Salvini é derrotado na Itália

Escócia

Um dia após Elizabeth II ter aceitado o pedido de Johnson para suspender o Parlamento, a líder do Partido Conservador da Escócia, Ruth Davidson, renunciou ao cargo, informou nesta quinta-feira (29) o The Guardian .

Davidson deixou o posto por razões familiares, mas na carta que escreveu para anunciar sua demissão, a política britânica mencionou o "conflito" que experimentou no Brexit .

Leia também: Em nova cartada, EUA oferecem anistia a Maduro para ele deixar o poder

"Inevitavelmente, muita coisa mudou ao longo dos anos de minha liderança, tanto pessoalmente quanto no contexto político mais amplo. Embora não tenha ocultado o conflito que ouvi sobre o Brexit, tentei traçar um curso para o nosso partido que reconheça e respeite o resultado do referendo, enquanto tenta maximizar oportunidades e mitigar riscos para as principais atividades e setores escoceses", escreveu Davidson.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários