Matteo Salvini, da extrema-direita italiana, foi derrotado após partidos fecharem acordo por novo governo
Divulgação/Ansa
Matteo Salvini, da extrema-direita italiana, foi derrotado após partidos fecharem acordo por novo governo

Em uma grande reviravolta, o líder do Movimento 5 Estrelas (M5S), Luigi Di Maio, anunciou na tarde desta quarta-feira (28) que existe base política para indicar novamente o jurista Giuseppe Conte ao cargo de primeiro-ministro da Itália . A legenda do ex-comediante Beppe Grillo deverá  formar um novo governo com o até então opositor Partido Democrático (PD), de esquerda, tirando de cena Matteo Salvini, do nacionalista de extrema-direita e aliado do governo Bolsonaro .

Leia também: Líder da extrema direita na Itália, Salvini é suspeito por desvio de recursos

"Na política, existem duas categorias: os que realmente fazem política e os que se aproveitam da política", afirmou Di Maio, após uma reunião com o presidente da Itália, Sergio Mattarella. "Caiu sobre a cabeça dos italianos uma crise inesperada. Muitos desses italianos estavam esperando a redução de impostos, o fim das concessões, investimentos para o sul do país. Mas decidiram jogar tudo para o alto", criticou Di Maio, referindo-se à crise aberta no início de agosto por Salvini .

Como os partidos mais votados nas eleições legislativas de 2018 tinham sido a Liga e o M5S, Salvini e Di Maio fizeram um pacto para governar a Itália em junho do ano passado. No entanto, Salvini, embalado pela sua popularidade em alta na Itália em 2019, anunciou no início de agosto o fim da coalizão de governo.

Leia também: Eduardo Bolsonaro encontra ministro italiano e se desculpa por asilo a Battisti

O líder da Liga aproveitou uma votação sobre o projeto de trem de alta velocidade (TAV) - na qual Liga e M5S adotaram posições divergentes - para decretar o término da aliança. A expectativa de Salvini era a de que a Itália antecipasse eleições e que ele pudesse se tornar premier.

No entanto, em uma manobra ousada, o opositor PD ofereceu ao M5S uma abertura de diálogo para formar uma nova coalizão de governo, excluindo o expoente da Liga. Conte era o primeiro-ministro na aliança entre PD e M5S.

Você viu?

No dia 20 de agosto, porém, ele renunciou ao cargo devido à crise aberta por Salvini . Em discurso no Senado, Conte  acusou o líder da Liga Norte de "oportunismo político" e fez duras críticas às suas atitudes no governo. O presidente Mattarella convocou Conte para uma reunião nesta quinta-feira (29), às 9h30 (4h30 de Brasília) na qual deve designar novamente o jurista para formar um novo gabinete.

"O caos foi criado por Matteo Salvini. Todos ficam se perguntando o que passou pela sua cabeça ao mandar tudo para o ar", criticou Matteo Renzi, ex-premier da Itália e nome forte dentro do PD.

Salvini critica aliança

Após o anúncio de um acordo entre o Partido Democrático (PD) e o Movimento 5 Estrelas (M5S) para formar um novo governo na Itália, Matteo Salvini, da Liga Norte, atacou a aliança.

"Não espero nada do PD, não busco coerência e dignidade onde prevalece a fome pelas cadeiras", disse Salvini que, com o novo acordo político, ficará de fora do governo.

Leia também: Líder da extrema direita italiana é alvo de protestos na parada LGBT de Roma

O expoente da Liga também ressaltou que o "M5S nasceu para fazer a revolução", "mas agora forma governo com os maiores defensores do sistema". "A verdade é que 60 milhões de italianos são reféns de 100 parlamentares que têm medo de perder as próprias poltronas", criticou.

Salvini decretou, no início de agosto, o fim do governo com o Movimento 5 Estrelas, causando uma crise política na Itália. A esperança do político da Liga era antecipar eleições, cenário em que poderia ser o partido mais votado e formar seu próprio gabinete.

"Posso escapar das eleições por um período curto de tempo, mas, cedo ou tarde, a palavra voltará aos italianos", ameaçou Salvini .

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários