Tamanho do texto

Alberto Fernández obteve vantagem esmagadora nas eleições primárias de domingo na Argentina e também chamou Bolsonaro de racista e misógino

Cristina Kirchner e Alberto Fernández arrow-options
Divulgação
Cristina Kirchner ao lado do candidato à Presidência da Argentina, Alberto Fernández

O candidato da oposição à Presidência da Argentina, Alberto Fernández , companheiro de chapa da ex-presidente e senadora Cristina Kirchner criticou na noite de segunda-feira (12) o presidente Jair Bolsonaro, a quem classificou de "racista, misógino e violento". No domingo, Fernández obteve uma vantagem esmagadora em cima do presidente Mauricio Macri, candidato à reeleição, nas eleições presidenciais primárias do país.

“Em termos políticos, eu não tenho nada a ver com Bolsonaro . Comemoro enormemente que fale mal de mim. É um racista, um misógino, um violento. O que eu pediria ao presidente Bolsonaro é que deixe Lula livre e pediria que se submeta a eleições com Lula em liberdade”, acrescentou, em referência ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso desde o ano passado.

Leia também: Diferente de Bolsonaro, Mourão adota tom diplomático ao falar sobre Argentina 

As declarações foram feitas horas depois que Bolsonaro disse que o Brasil poderia ver "irmãos argentinos fugindo para cá" caso o que ele chama de " esquerdalha " vença as eleições presidenciais de outubro — uma forte possibilidade após o resultado que conquistaram nas primárias de domingo sobre Macri.

“Com o Brasil, teremos uma relação esplêndida. O Brasil sempre será nosso principal sócio. Bolsonaro é uma conjuntura na vida do Brasil, como Macri é uma conjuntura na vida da Argentina”, disse Fernández em uma entrevista ao programa Corea del Centro, da emissora Net TV.

Na entrevista, Fernández também criticou o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump , que classificou como um bom líder para seu país, mas não para o mundo.

Leia também: Bolsonaro prevê relação 'bastante conflituosa' com Argentina se Macri perder 

As primárias de domingo na Argentina funcionaram como uma megapesquisa das eleições presidenciais de 27 de outubro. Como não havia disputa interna nos partidos, o importante era saber qual a proporção de eleitores que votaria em cada chapa. Com 99,37% das urnas apuradas, Alberto Fernández , que tem a ex-presidente e senadora Cristina Kirchner como vice, teve 47,66% dos votos.

Macri, candidato à reeleição e que tem o apoio declarado de Bolsonaro , recebeu 32,08% dos votos, uma diferença de menos 15 pontos percentuais. Na Argentina, para vencer no primeiro turno é necessário ter 45% dos votos ou 40% com uma diferença de ao menos 10 pontos sobre o segundo colocado.

O temor de que Macri não seja reeleito em outubro, associado à guerra comercial entre Estados Unidos e China, levou o dólar a fechar o dia em alta, próximo de R$ 4,  e a bolsa a recuar . Na Argentina , o peso se desvalorizou, a Bolsa despencou e o BC, em reação, elevou os juros a 74% ao ano. 

    Leia tudo sobre: lula