Tamanho do texto

Em entrevista, deputado federal do Rio falou sobre as vantagens de ocupar o cargo em Washington e a relação que tem com o pensador brasileiro

Falando com jornalistas sobre a possível indicação para a embaixada brasileira em Washington, Eduardo Bolsonaro disse que as principais funções do futuro embaixador do Brasil nos EUA serão “resgatar a credibilidade” e atrair investimentos. Ele acrescentou que o fato de ser filho do presidente pode contar a seu favor para estabelecer pontes.

Leia também: Juristas divergem sobre legalidade de indicação de Eduardo Bolsonaro

Deputado Eduardo Bolsonaro arrow-options
Billy Boss/Câmara dos Deputados - 7.6.2017
Deputado Eduardo Bolsonaro

" Eu fico imaginado o povo dos Estados Unidos vendo um presidente mandando um filho para o seu país. Não sou diplomata de carreira, não fiz concurso público. Muitas vezes as pessoas entendem que a indicação política demonstra compromisso maior. Imagino que a indicação de alguém tão próxima seria vista com bons olhos", disse Eduardo Bolsonaro .

Leia também: Possibilidade de Eduardo Bolsonaro assumir embaixada deixa Itamaraty perplexo

Ele disse que, durante viagem recente aos Estados Unidos, conversou com investidores americanos que se queixaram de um sentimento “antiamericano” do Brasil, especialmente nos governos do PT. O deputado afirmou também que não teria influência sobre uma possível ação militar na Venezuela, porque o assunto cabe aos ministros Ernesto Araújo (Relações Exteriores) e Fernando Azevedo e Silva (Defesa).

Eduardo também disse que a política rígida de Trump com relação aos imigrantes é uma questão de política “interna”. Ao ser perguntado sobre uma possível participação do ideólogo Olavo de Carvalho nos quadros da embaixada, ele lembrou a proximidade entre Washington e o estado da Virgína, onde Olavo de Carvalho mora.

"Esta é uma boa pergunta", disse ele. "Olavo certamente serve como conselheiro. Não tenho contato diário com ele, mas certamente é referência. Independente de estar dentro ou fora do governo. Quem sabe, se futuramente venha a se concretizar, a gente não venha a fazer uns churrascos e dar uns tiros no final de semana no quintal dele", continuou.

O deputado tratou como coincidência o fato de Bolsonaro ter falado publicamente sobre a possibilidade de indicação nesta quinta-feira, um dia após o parlamentar ter completado 35 anos, idade mínima para assumir um posto de embaixador.

Leia também: Presidente falou, tá falado, diz Eduardo Bolsonaro sobre ser embaixador nos EUA

"Assim como também foi coincidência o vereador Carlos Bolsonaro ter 17 anos quando foi eleito vereador (pela primeira vez no Rio). Completou 18 em dezembro e tomou posse em janeiro. Parece que papai do céu fez a gente no ano certinho pra completar as idades mínimas no futuro", finalizou Eduardo Bolsonaro .