Navio colidindo contra cais do porto de Veneza
Reprodução
Navio de cruzeiro bateu em doca em Veneza na Itália; quatro pessoas ficaram feridas

Em uma mensagem de áudio enviada ao chefe do porto de Veneza, o capitão do navio que colidiu no último domingo (2) afirma que fez o possível para evitar o acidente. O capitão, cujo nome ainda não foi divulgado, relata que tentou lançar duas âncoras ao mar para conter o navio.

Nesta segunda-feira (3), o Ministério Público de Veneza abriu um inquérito sobre a  colisão do navio da MSC Cruzeiros contra um cais e um barco no porto de Veneza . A hipótese é de violações das normas de segurança na navegação, mas ninguém ainda foi inscrito na lista de investigados.

 O procurador responsável pelo caso pediu a apreensão dos sistemas de movimento do navio (motores, timões e caixas-pretas). O transatlântico apresentava uma avaria nos motores, e os rebocadores não conseguiram pará-lo a tempo.

O MP ainda pode abrir um inquérito por lesões, mas as quatro turistas feridas no incidente não apresentaram nenhuma denúncia.

Veja o vídeo do acidente:


Explicações

O presidente da Autoridade do Sistema Portuário do Mar Adriático Setentrional, Pino Musolino, foi convocado com urgência para uma reunião no Ministério dos Transportes e da Infraestrutura da Itália, em Roma, para explicar a colisão.

Ele é o responsável pela administração do porto de Veneza, que fica no norte do Mar Adriático. Musolino se reunirá com o ministro Danilo Toninelli, que vem sendo criticado por ainda não ter dado aval a um projeto para tirar navios de cruzeiro do centro histórico da capital do Vêneto.

Leia também: Corpos de família de brasileiros morta no Chile serão trazidos hoje ao Brasil

Fim dos cruzeiros

O acidente reacendeu o debate sobre a navegação de grandes embarcações pela Bacia de San Marco e pelo Canal de Giudecca, no centro histórico da cidade. Um projeto de novembro de 2017 propõe tirar navios de cruzeiro do coração de Veneza .

Atualmente, os grandes navios cruzam a Bacia de San Marco, em pleno centro histórico veneziano, e o Canal de Giudecca, representando um risco para o frágil ecossistema da cidade. Essas embarcações atracam no terminal de passageiros de Veneza , que fica na parte insular do município, ao lado da Estação Santa Lucia.

O plano definido em 2017, por sua vez, prevê que navios com mais de 55 mil toneladas sejam direcionados a Marghera, bairro situado no continente e que abriga um dos mais importantes portos comerciais da Itália.

O ministro do Interior e vice-premier Matteo Salvini, secretário da Liga, deu eco às cobranças e afirmou nesta segunda-feira (3) que o projeto para retirar os grandes navios do centro histórico de Veneza deve ser feito "imediatamente".

Leia também: Monstro do Lago Ness "pode ser real", revela estudo internacional

"O turismo é uma parte fundamental da economia italiana e pode ser feito de maneira inteligente, reduzindo os riscos. Como existe um projeto que espera aprovação há tempos, acho que é hora de aprovar esse projeto", declarou Salvini sobre a mudança do porto de Veneza .

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários