Tamanho do texto

Vídeo de mulher 'voando' para fora do escorregador viralizou e brinquedo de 38 metros de comprimento foi fechado um dia depois da sua inauguração

escorregador
Reprodução/Twitter
Em vídeo, mulher é arremessada para fora do escorregador após usar o equipamento

Um escorregador urbano instalado na cidade de Estepona, no sul da Espanha, foi fechado um dia depois da sua inauguração, após vídeo de uma mulher descendo o brinquedo em alta velocidade repercutir nas redes sociais. A Câmara Municipal ainda recebeu queixas em relação à falta de segurança e imagens de arranhões e lesões corporais causadas pelo equipamento.

Leia também: Mulher acorda após 27 anos em coma e chama pelo nome do filho

O escorregador foi inaugurado na última quinta-feira (9) – primeiro dia de campanha para as eleições municipais na Espanha – a fim de servir como atalho entre duas ruas, que a população costumava atravessar por meio de um descampado. Nas redes sociais, uma vítima reclamou da segurança do equipamento e do serviço prestado pelos policiais que estavam no local.

“O escorregador de Estepona é uma merda, visto e testado. Eu me joguei e me machuquei em todos os lugares, voei 2 metros e os policiais começaram a rir”, escreveu no Twitter.

Com o custo de 28 mil euros (R$ 125 mil, na cotação atual) e com 38 metros de comprimento, o brinquedo é o maior escorregador urbano da Espanha , de acordo com a Câmara Municipal. A obra fazia parte da ampliação do Parque Urbano de Los Niños, como uma “atração turística” do local, além de um “novo meio de transporte urbano ” para todas as idades, segundo o presidente da Câmara.

“Parece-nos uma ideia fantástica para ultrapassar o grande desnível do terreno e, seguramente, um projeto que as pessoas veem com agrado”, explicou à imprensa local o deputado José María García Urbano, antes da inauguração.

Leia também: Sri Lanka bloqueia redes sociais e impõe toque de recolher








Leia também: Navios petroleiros são alvos de ataques na costa dos Emirados Árabes Unidos

Após o ocorrido, o órgão alegou que o vídeo da mulher escorregando foi um “caso isolado” e que isso aconteceu apenas porque a cidadã não utilizou o equipamento sentada, como uma placa instalada no local aconselhava. Apesar disso, um dia depois, na sexta-feira (10), o escorregador foi fechado e uma vistoria adicional foi solicitada à empresa responsável pela obra.