Tamanho do texto

Sessão de comissão específica da ONU foi marcada por divergências entre países; eles discutem um projeto de recomendações sobre desarmamento que devem alterar Tratado de Não Proliferação das Armas Nucleares

Sala da Assembleia Geral da ONU
Reprodução/Twitter ONU
Países ainda não chegaram a acordo para aprovação de mudanças em tratado da ONU

Potências nucleares e países que não detêm essas armas não chegaram a um acordo sobre recomendações visando ao desarmamento, em uma reunião da Comissão de Não Proliferação de Armas Nucleares da Organização das Nações Unidas (ONU).

Leia também: Irã anuncia que vai se retirar parcialmente de acordo nuclear

Em um encontro preparatório da comissão para a conferência de 2020 sobre a revisão do Tratado de Não Proliferação das Armas Nucleares,  que está em andamento na sede da ONU em Nova York, representantes de países-membros discutiram possíveis recomendações sobre o tema.

O presidente da atual sessão apresentou uma proposta para as recomendações na semana passada, mas os países não concordaram com todos os pontos incluídos nele. 

O projeto, de 55 pontos, inclui um pedido de reconhecimento do apoio ao Tratado da ONU de Proibição das Armas Nucleares. O documento também pede que países que detêm essas armas cumpram suas obrigações com relação ao desarmamento e pede uma suspensão do desenvolvimento de novos tipos de armas nucleares .

Leia também: Sanções unilaterais dos EUA contra o Irã passam a valer a partir de hoje

O representante dos Estados Unidos, Robert Wood, criticou o projeto, dizendo que ele reflete visões baseadas em concepções incompatíveis sobre como obter progresso em metas compartilhadas de desarmamento .

O Japão e a Coreia do Sul, que estão sob proteção do guarda-chuva nuclear americana, também apresentaram opiniões contrárias ao projeto devido à falta de considerações equilibradas para questões de segurança.

Leia também: Rússia culpa EUA por recuo do Irã em acordo nuclear e pede ação de europeus

A Áustria e África do Sul, por sua vez, manifestaram apoio ao projeto, citando preocupações com os esforços de potências nucleares para a modernização de seus armamentos. Os dois países lideraram os esforços para adoção do tratado de proibição nuclear da ONU .