Tamanho do texto

Lançamento coincide com visita de representante dos EUA a Seul; testes seriam uma maneira de Kim Jong-un aumentar pressão sobre americanos

Kim Jong un
Reprodução/Twitter
Militares sul-coreanos analisam informações iniciais para determinar quais os modelos lançados pela Coreia do Norte

A Coreia do Norte disparou "múltiplos projéteis" que até o momento não foram identificados, uma semana depois de ter testado vários mísseis de curto alcance, informaram militares sul-coreanos à agência de notícias "Yonhap" nesta quinta-feira (9) .

Leia também: Trump apoia plano sul-coreano para enviar ajuda humanitária à Coreia do Norte

De acordo com um comunicado publicado pelo Comando Conjunto da Coreia do Sul (JCS), os projéteis foram lançados pela Coreia da Norte em direção leste por volta das 16h30 (horário local), a partir da área de Sinori, na província de Pyongan Norte.

Os militares sul-coreanos estão analisando as informações iniciais para determinar quais os modelos lançados, já que na região de Sinori está localizada uma base nuclear a qual abriga mísseis balísticos Scud e Nodon de curto e médio alcance, relatou a agência. Até o momento, segundo a JCS, foram lançados dois projéteis de curto alcance, sendo que um percorreu a distância de 420 km, enquanto o outro teria atingindo 270 km.

Leia também: Coreia do Norte reduz distribuição de comida para 300g por dia

O teste é realizado no momento em que um representante dos Estados Unidos , Stephen Biegun, tenta romper o impasse nas negociações sobre a crise nuclear na Coreia do Norte durante visita a Seul.

Este é o segundo lançamento de mísseis por parte do regime do ditador norte-coreano, Kim Jong-un , desde o último sábado (4), quando foram disparados entre 10 e 20 mísseis de curto alcance. Especialistas afirmam que o novo teste é uma forma de Pyongyang aumentar a pressão sobre os Estados Unidos por não fazer concessões.

Leia também: Coreia do Norte ameaça deixar negociações com os EUA e retomar testes nucleares

Uma reunião no Vietnã entre o líder da Coreia do Norte e o presidente dos EUA, Donald Trump, terminou sem acordo em fevereiro. Na ocasião, o republicano se afastou do que descreveu como um mau acordo oferecido pelo norte-coreano.