Presidente da Argentina, Mauricio Macri, está pressionado pelos trabalhadores argentinos
Mario De Fina/Fotoarena/Agência O Globo
Presidente da Argentina, Mauricio Macri, está pressionado pelos trabalhadores argentinos


A Argentina é palco nesta terça-feira (30) de uma greve geral e de diversas manifestações contra o presidente Mauricio Macri, que se vê às voltas com mais uma crise econômica caracterizada por inflação galopante e escalada cambial.

Leia também: Estudo mostra que 64 jornalistas foram mortos entre 1995 e 2018 no Brasil

Sindicatos de diversos setores - funcionalismo, transportes, educação, saúde e bancário - aderiram à paralisação em protesto a Macri . Por outro lado, a Confederação Geral do Trabalho (CGT), maior organização sindical do país, não participa.

Você viu?

A CGT sairá às ruas nesta quarta-feira (1º), quando se celebra o Dia do Trabalhador . A greve forçou o cancelamento de pelo menos 440  voos, afetando cerca de 32 mil passageiros. Já na Avenida 9 de Julho, coração de Buenos Aires, manifestantes e policiais entraram em conflito.

Leia também: Moro anuncia novo acordo com a Argentina para facilitar extradições

No poder desde o fim de 2015, Macri não conseguiu cumprir sua promessa de conter a inflação e evitar a deterioração do peso argentino . Em busca da reeleição neste ano, o presidente pediu um resgate do Fundo Monetário Internacional (FMI) e anunciou até um congelamento de preços e tarifas para enfrentar a crise.

Leia também: Governo de Macri perde sexta eleição consecutiva neste ano

Macri culpa "fatores externos" e a "herança negativa" deixada pelos governos kirchneristas.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários