Jornalistas são alvos da criminalidade no Brasil
Pixabay
Jornalistas são alvos da criminalidade no Brasil


Entre 1995 e 2018, 64 jornalistas e comunicadores foram assassinados no Brasil em razão do exercício da profissão. Em apenas metade desses casos, a investigação foi capaz de apontar os responsáveis e dar início a uma ação penal na Justiça. Profissionais que trabalham longe dos grandes centros e de forma independente ou em pequenos veículos de comunicação são os principais alvos. Os dados fazem parte de relatório divulgado nesta terça-feira pelo Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP). 

Leia também: Discurso do ódio contra jornalistas cresce no Brasil e no mundo

Em 32 casos, houve denúncia do Ministério Público contra acusados de matarem jornalistas e comunicadores. Outros dois o CNMP disse que foram "parcialmente solucionados", ou seja, são casos em que nem todos os responsáveis são identificados ou há alguma circunstância que impede a continuidade do processo. Em sete assassinatos, a autoria do crime não foi revelada. Outros 16 estão em andamento. E, por fim, não há informações sobre as investigações de sete mortes.

O Rio de Janeiro foi o estado com mais mortes registradas no período: 13. Desses casos, houve denúncia do Ministério Público em cinco. Seis ainda estão em andamento, e duas investigações terminaram sem descobrir os autores dos crimes.

Leia também: Filhos de Khashoggi receberam casas milionárias e mesadas como indenização

O segundo estado com mais mortes é a Bahia, com sete. Em seguida vêm Maranhão, com seis, e Ceará, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul e Pernambuco, com quatro cada. Apenas oito unidades da federação não têm casos registrados: Acre, Amapá, Distrito Federal, Piauí, Rio Grande do Sul, Roraima, Santa Catarina e Tocantins.

O ano com o maior número de mortes foi 2015, quando houve oito casos. De 1995 a 2010, havia no máximo três assassinatos por ano. Em 2011, pulou para seis, número que pouco mudou até o ápice em 2015. De lá para cá, foram quatro assassinados em 2016, um em 2017, e quatro novamente em 2018.

"A análise do relatório permite ainda identificar que a quase totalidade dos atos violentos analisados ocorreu longe dos grandes centros urbanos, envolvendo jornalistas, profissionais de imprensa e comunicadores autônomos ou pertencentes a pequenos grupos de mídia, muitos deles blogueiros e radialistas. Essa circunstância dificulta que os episódios cheguem ao conhecimento da população, ficando a repercussão desses fatos limitada ao território onde ocorreram", diz trecho do relatório, que ainda aponta as "notórias deficiências estruturais das Policias Judiciárias, sobretudo nos rincões do país".

Você viu?

Leia também: Jornalista acusado de causar apagão na Venezuela é liberado da prisão

O relatório termina com alguns propostas para melhorar a situação, como "articular a criação de uma rede de troca de informações entre as unidades dos Ministério Público brasileiro visando conferir maior efetividade na persecução penal de crimes contra a vida de comunicadores no exercício de suas funções ou em razão dela". Também sugere ampliar parcerias com entidades da sociedade civil, e dar ampla divulgação aos dados do relatório.

América Latina está entre regiões mais perigosas para jornalistas

Brasil é um dos países do mundo onde os jornalistas mais sofrem com a violência
Edilson Rodrigues/Agência Senado
Brasil é um dos países do mundo onde os jornalistas mais sofrem com a violência


Relatório divulgado pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) no fim do ano passado mostrou que 182 jornalistas foram assassinados em todo o mundo em 2016 e 2017. Isso significa uma morte a cada quatro dias. O local mais violento para o exercício da profissão foi a região da Ásia e Pacífico, com 54 assassinatos. Em seguida, vêm os países árabes e a América Latina e Caribe. Em cada uma dessas duas regiões, houve 50 mortes.

O ano de 2016, com 102 mortes no planeta, foi mais violento que o de 2017, quando 80 jornalistas foram assassinados. Na série história, o número vem diminuindo desde 2015 e está abaixo do pico verificado em 2012, mas ainda está acima do que era observado até 2011. Segundo a Unesco, 89% dos cados de jornalistas mortos entre 2006 e 2017 para os quais há dados dos processos judiciais continuam impunes. O problema é maior nos países árabes. Já a região com menos impunidade é Europa Ocidental e América do Norte.

Países sem conflitos armados estão concentrando mais o número de mortes. Em 2016, metade era em países nessa situação. Em 2017, os locais sem confrontos respondiam por 55% dos casos.

O país em que mais jornalistas morreram em 2016 e 2017, por exemplo, foi o México, que registrou 26 casos. Somente em seguida vêm locais com conflitos armados: o Afeganistão, com 24 mortes, Iraque, com 17, e Síria, com 15. Outros países que se destacam negativamente são Iêmen (14), Índia (10 mortes), Paquistão (8) e Guatemala (8).

O relatório da Unesco apontou também a tendência no aumento de mulheres entre as vítimas. Desde que os números começaram a ser coletados em 2006, o ano de 2017 foi aquele que registrou mais jornalistas mulheres assassinadas: 11. Em 2016, já tinham sido dez. Elas também são afetadas por outros riscos, como assédio sexual, violência sexual e ameaças de violência.

O grupo com maior número de jornalistas assassinados no mundo é proveniente da TV. Eles representaram 45% dos casos em 2017 e 34% em 2016. Os repórteres locais também são os que mais assassinados - 94% do total -, uma vez que ataques a jornalistas internacionais costumam atrair mais atenção. Os freelancers (autônomos) também são mais vulneráveis. 

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários