Mauricio Macri vive momento político conturbado na Argentina
Divulgação
Mauricio Macri vive momento político conturbado na Argentina


Nos últimos quatro meses, seis províncias argentinas foram às urnas em primárias para as nacionais (presidencial, estaduais e legislativas) de outubro e para eleger novos governadores. O último teste eleitoral do país foi no último domingo (28), em Santa Fe, e lá, como em todos os demais pleitos, a aliança governista Mudemos, que apoia Mauricio Macri, foi derrotada. Neste caso, seu candidato a governador ficou em terceiro lugar nas primárias com cerca de 20% dos votos.

Leia também: Moro anuncia novo acordo com a Argentina para facilitar extradições

Analistas locais acreditam que a crise econômica que o governo Mauricio Macri  não consegue superar explica os péssimos resultados nos seis distritos e começa a consolidar um cenário complicado para o presidente, que mantém firme sua decisão de tentar a reeleição . 

Nos últimos dois meses, foram realizadas primárias em Entre Rios, Chubut, San Juan e Santa Fe. Em todos os casos, venceram candidatos de partidos locais ou peronistas. A delicadíssima situação econômica se transformou no fator crucial da campanha argentina e até agora teve duas consequencias: enfraquecer Macri e fortalecer o Partido Justicialista (PJ), kirchnerista e não kirchnerista.

Em Rio Negro e Neuquén, na Patagônia, foram eleitos governadores e em ambos os casos triunfaram movimentos locais não aliados à Casa Rosada.

Você viu?

Leia também: Bolsonaro pede Mercosul mais enxuto e Macri chama Maduro de ditador venezuelano

"O caso de Santa Fé é complicado para o governo porque nesse distrito o macrismo tinha vencido as legislativas de 2017 e os votos da província foram importantes para a eleição de Macri em 2015", comentou o analista Carlos Fara.

Hoje, ampliou Fara, em Santa Fe uma eventual candidatura presidencial da senadora e ex-presidente Cristina Kirchner  (2007-2015) está quatro pontos percentuais acima de Macri.

"Levando em consideração o desastre econômico, ter 20% dos votos não é ruim. Mas a realidade é que o macrismo está perdendo votos que eram próprios", assegurou o analista.

Leia também: Bolsonaro teme que Argentina vire "outra Venezuela" se Cristina Kirchner ganhar

Entre Rios também era uma província de maioria macrista até dois anos atrás. Hoje o peronismo regional está fortalecido, como em muitas outras províncias. Com a economia em crise e Macri sem encontrar uma saída, os peronistas recuperaram espaços perdidos e quando vão unidos a uma eleição conseguem bons resultados.

Na opinião do analista Sergio Berensztein, "a melhor estratégia para o peronismo tem sido ter candidatos de centro, moderados. Mesmo estando juntos com o kirchnerismo estão conseguindo vencer eleições".

Santa Fé elegerá seu novo governador em junho. Em agosto serão realizadas as primárias na grande maioria das províncias argentinas e em 28 de outubro será o primeiro turno das presidenciais. As pesquisas são desfavoráveis a Macri e continua crescendo o respaldo a Cristina. O governo está adotando medidas desesperadas, como retomar a intervenção no mercado cambial para tentar impedir novas disparadas do dólar, que semana passada bateu 48 pesos. Mas o desgaste, coincidiram ambos analistas, é grande e poderia ser fatal para os planos de reeleição do presidente.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários