atentado no sri lanka
St. Sebastian's Church
Onda de atentados no Sri Lanka deixou 290 mortos

O governo do Sri Lanka atribuiu nesta segunda-feira a um grupo islâmico até então pouco conhecido, o Thowheed Jamath Nacional, a série de atentados suicidas a três igrejas católicas e quatro hotéis que deixou ao menos 290 mortos e 500 feridos no domingo de Páscoa.

De acordo com o porta-voz do governo,  Rajitha Senaratne, a preparação dos ataques  terroristas no Sri Lanka teria contado com o apoio de uma rede internacional. "Não acreditamos que esses ataques tenham sido executados por um grupo de pessoas confinado a este país. Houve uma rede internacional sem a qual esses ataques não poderiam vingar", disse Senaratne.

Segundo um comunicado oficial, o presidente Maithripala Sirisena vai pedir ajuda internacional para traçar as ligações dos atacantes. "Relatórios de inteligência indicam que organizações terroristas internacionais estão por trás dos terroristas locais", afirma o comunicado.

A polícia prendeu 24 pessoas suspeitas de ligação com os atentados e o governo declarou estado de emergência a partir de meia-noite desta segunda (14h no Brasil). Um toque de recolher entre 20h (meio-dia no Brasil) e 4h (20h no Brasil) continuará a vigorar.

Leia também: Líderes mundiais falam sobre atentado que deixou mais de 100 mortos no Sri Lanka

O governo decretou esta terça-feira um dia oficial de luto. As redes sociais e serviços de mensagem eletrônica continuam bloqueadas pelo governo, com a justificativa de evitar a disseminação de mensagens falsas.

Os muçulmanos são apenas 9,7% da população do país, 70% dela budista. Hindus são 12,6% da população e os cristãos, 7%, segundo o censo de 2012. Depois de uma longa guerra civil entre o governo e separatistas da minoria tamil, encerrada em 2009, o país viveu um período de relativa calma até incidentes envolvendo ataques de grupos budistas radicalizados a comércios e locais de culto muçulmanos, no ano passado. Ainda assim, o ataque foi totalmente inesperado e surpreendeu analistas locais.

"O Sri Lanka jamais assistiu a esse tipo de ataque, coordenado, múltiplo com muitas vítimas, nem com os Tigres Tamil durante a brutal guerra civil", disse Alan Keenan, diretor no país do centro de estudos de conflitos International Crisis Group, ao jornal Financial Times . "Não estou convencido de que os atentados tenham sido planejados localmente. Acho que a dinâmica é global, não motivada por um debate nacional", completou.

Leia também: Nova explosão é registrada no Sri Lanka, após onda de atentados no fim de semana

Houve quem relacionasse os atentados no Sri Lanka ao Estado Islâmico (EI), que já realizou ataques na Páscoa no Paquistão em 2006 e na Nigéria em 2012. No entanto, ninguém reivindicou a autoria. Murtaza Jafferjee, da consultoria de negócios JB Securities, lembrou que não faria sentido para a minoria muçulmana do país atacar outra minoria, os cristãos. "As pessoas estão especulando que há uma conexão com o Estado Islâmico, de que os autores seriam pessoas que voltaram de zonas de combate no exterior", disse ele. 

    Veja Também

      Mostrar mais