Tamanho do texto

Abdelaziz Bouteflika ficou 20 anos no poder e não resistiu às manifestações pedindo sua saída apoio de militares e população nas ruas nos últimos dias

undefined
Reprodução
Presidente da Argélia, Abdelaziz Bouteflika renunciou ao cargo após 20 anos no poder


O presidente da Argélia, Abdelaziz Bouteflika, notificou oficialmente o Conselho Constitucional nesta terça-feira (2) sobre sua decisão de renunciar ao cargo. A informação é da agência oficial Algérie Presse Service (APS) , confirmando o fim do regime de 20 anos após diversas semanas de protestos populares contra o mandatário.

Leia também: Filhos de Khashoggi receberam casas milionárias e mesadas como indenização

O presidente  da Argélia de 82 anos se tornara alvo de manifestações após o anúncio de sua candidatura a um quinto mandato nas próximas eleições, embora esteja doente há muito tempo. Pressionado pelas ruas, Bouteflika abdicou de disputar o pleito.

Os protestos, no entanto, continuaram, e o mandatário passou a ser cobrado também pela cúpula militar.

"Não podemos perder tempo", diz uma nota divulgada nesta terça pelo chefe do Estado Maior das Forças Armadas , general Ahmed Gaid Salah, que defendia a destituição imediata de Bouteflika.

Leia também: Número de mortos em Moçambique sobe para 598 após passagem de ciclone Idai

A renúncia pode ser uma tentativa do grupo conhecido como "Le Pouvoir" (O Poder) de conter as manifestações e garantir a manutenção do regime, que já não depende mais de Bouteflika. O "Poder" engloba militares, políticos e empresários que dão sustentação ao governo e é liderado por Said Bouteflika, irmão do presidente.

No poder desde abril de 1999 e um dos líderes da Revolução Argelina, o mandatário não faz um discurso público há cerca de sete anos e sofreu dois derrames nesse período. Seu real estado de saúde é cercado de mistério, e Bouteflika venceu as últimas eleições, em 2014, sem fazer campanha.

Leia também: Opositor de Maduro, Guaidó perde imunidade parlamentar e pode ser preso

A oposição alega que o presidente da Argélia está incapacitado de governar e que o comando do país está nas mãos de um estreito círculo de aliados. A economia argelina é baseada na exportação de petróleo e gás e foi duramente atingida pela queda dos preços no mercado internacional, o que levou a cortes em programas sociais que ajudavam a conter a insatisfação popular.

*Informações da Ansa