Tamanho do texto

Autoridades do país confirmaram o aumento no número de vítimas e de famílias afetadas pelo desastre natural e pelas cheias que se seguiram

Moçambique após ciclone Idai
Reprodução/Facebook presidente Filipe Nyusi
Novos números divulgados nesta terça confirmam aumento das mortes em Moçambique

Autoridades de Moçambique anunciaram, nesta terça-feira (2), que o número de mortes provocadas pelo Ciclone Idai e as cheias que se seguiram no centro do país chegam a 598. O novo balanço foi divulgado pelo Instituto Nacional de Gestão de Calamidades (INGC) e acrescenta 80 mortes ao último relatório divulgado .

O número de famílias afetadas pelo desastre em Moçambique também subiu para 195.287, assim como o número de pessoas atingidas: de 843.729 para 967.014, segundo dados do boletim do INGC. Em relação ao número de feridos, foram mantidos os 1.641 divulgados no balanço anterior.

Leia também: Mais de 500 casos de cólera já foram confirmados em Moçambique

Na semana passada, o governo anunciou o fim das operações de salvamento e resgate. O foco agora é a ajuda humanitária . Atualmente, mais de 32 mil famílias recebem assistência do governo e de organizações nacionais e internacionais .

Nos 136 abrigos em funcionamento estão acomodadas 131.136 pessoas e o número daqueles que são considerados vulneráveis é de 7.422, o que inclui os que perderam as casas, precisam de alimentos ou de algum tipo de assistência.

Leia também: Bombeiros mineiros chegam a Moçambique para missão humanitária

As autoridades de Moçambique atualizaram também o número de casas totalmente destruídas, que chega a 62.153 (59.910 no último balanço), parcialmente destruídas (34.139, 33.925 segundo os dados anteriores) e 15.784 inundadas, sendo que a maioria é formada por habitações de construção precária.

*Com informações da Deutsche Welle (agência pública da Alemanha)