Tamanho do texto

Dias antes da viagem do presidente a Israel, o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, voltou a insistir que o nazismo é de esquerda

undefined
Alan Santos/PR
Presidente da República, Jair Bolsonaro, e o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, em visita a Israel

O presidente da República, Jair Bolsonaro, tem uma visita agendada para esta terça-feira (2) ao centro de memória do Holocausto Yad Vashem, em Jerusalém. Este Museu do Holocausto, o único de Israel, é localizado dentro de um importante centro de pesquisas sobre o período, que declara publicamente a origem do regime, definindo o nazismo como um movimento de direita.

Leia também: Ernesto Araújo diz que nazismo e fascismo são "fenômenos de esquerda"

Em seu site, a instituição traz um histórico sobre a ascensão do partido nazista na Alemanha e explica que, "junto a intransigente resistência e alertas sobre a crescente ameaça do Comunismo, criou solo fértil para o crescimento de grupos radicais de direita na Alemanha, gerando entidades como o Partido Nazista". Tal declaração sobre a origem do nazismo contradiz o governo Bolsonaro .

Afinal, poucos dias antes da viagem da comitiva brasileira a Israel, o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo , voltou a insistir que o  regime tem origem na esquerda política. 

Araújo escreveu, em um post recente em seu blog, que "a esquerda fica apavorada cada vez que ressurge o debate sobre a possibilidade de classificar o nazismo como movimento de esquerda", explicando que, em um sua opinião, o nazismo foi um movimento de esquerda.

"Livres dessa inibição, podemos facilmente notar que o nazismo tinha traços fundamentais que recomendam classificá-lo na esquerda do espectro político", escreveu o chanceler , que já havia expresso opiniões semelhantes em outras ocasiões.

Leia também: Ministro do Meio Ambiente cita o nazismo para rebater crítica de jornal alemão

Araújo, inclusive, acompanhará Bolsonaro na visita ao Museu do Holocausto de Israel. De acordo com o programa da visita, a comitiva visitará a exposição Flashes of Memory – Fotografia durante o Holocausto. O presidente também vai depositar flores em homenagem às vítimas do nazismo e assinará o livro de honra do memorial.