Tamanho do texto

Medidas foram tomadas por Maduro e fazem parte de pacote de ações do governo venezuelano; aulas e outras atividades foram suspensas no país

undefined
Reprodução/Twitter
Em discurso transmitido pela televisão, Maduro afirmou que vai se empenhar para enfrentar a “grave situação”

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, anunciou que, em até 30 dias, será executado um plano de ação para combater o que chama de “guerra elétrica contra a população”. Os venezuelanos enfrentam, pela segunda vez no ano, um longo período de apagão que atinge o país como um todo e gera  nova onda de protestos da população.

Em decorrência dos impactos causados pelo apagão, as aulas e várias atividades no país foram suspensas. Maduro disse que até quarta-feira (3) a normalidade deve ser reestabelecida. Segundo ele, a intenção é retomar a jornada até as 14h (horário local) em instituições públicas e privadas.

"Já foi aprovado um plano para, em 30 dias, administrar o regime de cargas, equilibrando o processo de geração, assegurando a transmissão, o serviço e o consumo em todo o país", disse Maduro.

Leia também: Venezuela vive nova onda de protestos após Guaidó perder os direitos políticos

Em discurso transmitido pela televisão, o presidente da Venezuela afirmou que vai se empenhar para enfrentar a “grave situação” e novamente disse que há um golpe em curso para tirá-lo do poder. "Imediatamente, começamos o trabalho de recuperação com cientistas, engenheiros e hackers”, afirmou.

Nas redes sociais, Maduro pediu apoio à população para reagir a qualquer tipo de pressão. “Peço a todos os venezuelanos que defendam a paz em todos os cantos do país. Vamos reabastecer todo o sistema elétrico desses ataques”.

Leia também: Opositor de Maduro, Guaidó é proibido de exercer cargos públicos por 15 anos