Tamanho do texto

A saída do Reino Unido da União Europeia foi adiada por três meses; no mesmo dia, parlamentares rejeitaram a realização de um novo referendo

Adiamento do Brexit traz alívio a Theresa May, que já teve duas propostas de acordo rejeitadas
Reprodução/ UK Parliament
Adiamento do Brexit traz alívio a Theresa May, que já teve duas propostas de acordo rejeitadas

Parlamentares britânicos aprovaram nesta quinta-feira (14) o adiamento da saída do Reino Unido da União Europeia, o Brexit. A proposta da primeira-ministra Theresa May foi aceita por 413 a 202 votos. Agora, May terá de pedir à União Europeia que o prazo de saída, que deveria acontecer até 29 de março, se altere para o dia 30 de junho.

Leia também: Com prazo apertado, Theresa May vê acordo do Brexit ser novamente rejeitado

Mais cedo no mesmo dia, os deputados rejeitaram a possibilidade de realização de um segundo referendo sobre o Brexit . Nesta votação foram 334 votos contra e apenas 85 a favor, uma ampla diferença de 249 votos.

Muitos parlamentares da oposição trabalhista se abstiveram, ainda que desde a aprovação da saída do Reino Unido da União Europeia, militantes e parlamentares da oposição vem defendendo a realização de um novo referendo. Neste momento, no entanto, os deputados da oposição trabalhista, os nacionalistas escoceses e alguns conservadores concordaram sobre a necessidade de ganhar tempo antes da saída definitiva do bloco econômico.

Leia também: "Nenhuma solução foi identificada" para resolver o impasse do Brexit, diz UE

Antes de levar o pedido de novo prazo ao Parlamento Europeu , os britânicos têm até o dia 20 deste mês para chegar a um novo acordo político que justifique a solicitação. Isto porque no dia 21 acontece a cúpula dos representantes europeus que decidirá se concede ou não o adiamento, mas para isso, eles exigem uma boa justificativa, apoiada em um plano sólido. A decisão dos europeus precisa ser unânime entre os 27 membros.

A vitória garante um alívio a May depois de diversas derrotas seguidas no Parlamento. Os desafios da primeira-ministra, porém, não param por aí. Mesmo se o adiamento for aprovado, ela precisa conseguir elaborar um acordo que seja aceito pelos parlamentares britânicos dentro deste novo prazo. Uma prorrogação que ultrapasse o dia 30 de junho obrigaria o Reino Unido a participar das eleições para o Parlamento Europeu em maio.

Leia também: União Europeia afirma que Reino Unido pode revogar unilateralmente o Brexit

Theresa May já apresentou dois acordos para o Brexit , mas ambos foram rejeitados pela Câmara dos Comuns do Reino Unido. A primeira-ministra sofre uma grande resistência vinda dos deputados de seu próprio partido.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas