Tamanho do texto

Ethiopian Airlines relatou nas redes sociais que os gravadores do voo foram achados em Adis Abeba; piloto tentou regressar ao aeroporto após decolar

Queda de avião deixou 157 mortos na Etiópia
Pixabay
Queda de avião deixou 157 mortos na Etiópia

As caixas pretas do avião que caiu em Adis Abeba, capital da Etiópia, foram encontradas na manhã desta segunda-feira (11). A informação é da Ethiopian Airlines, que era responsável pelo voo. A queda deixou 157 mortos.

Leia também: Queda de avião mata 157 pessoas na Etiópia; piloto tentou voltar ao aeroporto

Agora, o material será adicionado à investigação que apura os motivos da queda do avião . Essa é a segunda aeronave do mesmo modelo a se acidentar em menos de um ano. Em outubro, a queda de outro Boeing 737 MAX  deixou 189 mortos na Indonésia.

A queda do avião boeing 737-800 MAX da Ethiopian Airlines deixou 157 pessoas mortas na manhã deste domingo (10). A aeronave iria da capital da Etiópia, Adis Abeba, para Nairobi, no Quênia, quando caiu poucos minutos depois de decolar.

Leia também: Apagão na Venezuela deixa 13 mortos em hospital; já são quase 48h sem luz

De acordo com a companhia aérea, o voo ET 302 saiu às 8h38 do aeroporto de Bole, em Adis Abeba, e perdeu o contato com a torre de controle apenas seis minutos depois, às  8h44. A queda aconteceu perto da cidade de Bishoftu, a apenas 62 quilômetros do ponto inicial de partida, na capital da  Etiópia .

Das 157 pessoas que estavam na aeronave no momento da queda, 149 eram passageiros e oito eram tripulantes. Ninguém sobreviveu. Segundo a Ethiopian Airlines , os mortos eram de 35  nacionalidades diferentes.

Até o momento, as causas do acidente são desconhecidas. A rede Flightradar24 ADS-B, de rastreamento de voos, entretanto, disse no Twitter que " dados mostraram que a velocidade vertical da aeronave ficou instável depois da decolagem."

O CEO da Ethiopian Airlines , Tewolde G Medhin, disse que o piloto relatou dificuldades após a decolagem e chegou a pedir autorização para regressar ao aeroporto. A controladoria de voo permitiu a volta da aeronave.

Leia também: "Nenhuma solução foi identificada" para resolver o impasse do Brexit, diz UE

Em nota, Medhin, que está no local da queda, lamentou o ocorrido e expressou "sua profunda simpatia e condolências aos familiares, amigos e conhecidos dos passageiros que perderam suas vidas neste trágico acidente ."

A companhia aérea também divulgou as nacionalidades dos passageiros.

  • Quênia: 32
    • Canadá: 18
    • Etiópia: nove
    • China: oito
    • EUA: oito
    • Itália: oito
    • França: sete
    • Reino Unido: sete
    • Egito: seis
    • Alemanha: cinco
    • Índia: quatro
    • Eslováquia: quatro
    • Áustria: três
    • Rússia: três
    • Suécia: três
    • Espanha: dois
    • Israel: dois
    • Marrocos: dois
    • Polônia: dois
    • Bélgica: um
    • Djibuti: um
    • Indonésia: um
    • Irlanda: um
    • Moçambique: um
    • Noruega: um
    • Ruanda: um
    • Arábia Saudita: um
    • Sudão: um
    • Somália: um
    • Sérvia: um
    • Togo: um
    • Uganda: um
    • Iêmen: um
    • Nepal: um
    • Nigéria: um
    • Passaporte da ONU: um

O primeiro-ministro da Etiópia , Abiy Ahmed, foi um dos primeiros a se pronunciar no Twitter sobre a queda do avião , onde expressou suas "profundas condolências".