Tamanho do texto

Manifestantes foram às ruas na capital Caracas e em outras cidades; Juan Guaidó, presidente autointitulado do país, lidera marchas contra o chavismo

Juan Guaidó lidera protestos contra o presidente Nicolás Maduro
Reprodução
Juan Guaidó lidera protestos contra o presidente Nicolás Maduro

Manifestantes contrários e favoráveis ao governo de Nicolas Maduro, voltaram a medir forças nas ruas de Caracas com demonstrações organizadas pelo presidente do país e por seu opositor Juan Guaidó, auto proclamado presidente interino do país. As manifestações ocorrem dois dia após o apagão que deixou 90% da Venezuela sem energia elétrica. Guaidó pediu à população para se mobilizar "com mais força do que nunca".

Leia também: Apagão na Venezuela deixa 13 mortos em hospital; já são quase 48h sem luz

A mobilização ocorre menos de uma semana após o retorno de Guaidó à Venezuela , após sua visita a cinco países da região (Colômbia, Brasil, Paraguai, Argentina e Equador), em meio às ameaças da possível detenção de Maduro.

Por sua vez, os manifestantes pró- Maduro também realizam manifestações, convocadas na última terça-feira pelo governante durante um evento para comemorar o sexto aniversário da morte de Hugo Chávez.

Apagão já deixou 13 mortos da Venezuela

Apagão na Venezuela
Reprodução/Twitter
Apagão na Venezuela

Pelo menos 13 pessoas morreram em um hospital estadual em Monagas, no nordeste da Venezuela, devido ao apagão de energia elétrica que atinge o país desde a última quinta-feira (7). A notícia dos falecimentos foi dada pelo médico local Julio Castro, via Twitter, neste sábado (9).

Leia também: Venezuela enfrenta apagão e Maduro acusa EUA de "guerra elétrica"

De acordo com Castro, até o momento, o Hospital Manuel Núñez Tovar contabilizou nove mortes no setor de emergência, duas no departamento de obstetrícia, uma na ala de traumatismos e outra na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) neonatal.  O boletim foi escrito pelo médico às 11h30 deste sábado (12h30 no horário de Brasília) na rede social, cerca de 36 horas depois do início do apagão . 

O médico também informou que o hospital continua  " sem luz e sem gerador elétrico" , que os ambulatórios funcionam com "operações reduzidas" e que aparelhos funcionam apenas em alguns locais. 

Leia também: Jornalista venezuelano que denunciou ameaças do governo Maduro morre espancado

Venezuela  está sem energia elétrica  desde às 16h50 (17h50 no horário de Brasília) da última quinta-feira (7). O problema foi causado por falhas na hidrelétrica de Guri, principal represa do país. Segundo a imprensa local, 23 dentre os 24 estados foram atingidos. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.