Tamanho do texto

Presidente dos EUA bateu na mesa e se negou a negociar com democratas; governo enfrenta 'apagão' devido a impasse sobre construção de muro

Trump abandona reunião com democratas e diz que sem muro, sem acordo
Reprodução/ Twitter Donald J. Trump
Trump abandona reunião com democratas e diz que sem muro, sem acordo

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, abandonou a reunião que tinha marcada, nesta quarta-feira (9), com a presidente da Câmara dos Deputados, Nancy Pelosi, e o líder da minoria democrata no Senado, Chuck Schumer, para falar sobre a construção de um muro na fronteira com o México. Em seu Twitter, o líder alegou que a reunião foi “total perda de tempo”.

Leia também: Pacotes suspeitos são enviados a consulados de pelo menos 10 países na Austrália

Os democratas compareceram à Casa Branca para tentar fechar um acordo que acabasse com a paralisação parcial orçamentária, chamada de ‘shutdown’ e que está em vigor desde o dia 22 de dezembro, já que Trump se recusa a assinar qualquer lei que não preveja, pelo menos, US$ 5,7 bilhões para a construção da barreira na fronteira com o México. Porém, os democratas – agora no controle da Câmara – são contra a obra.

"Acabei de deixar um encontro com Chuck e Nancy, uma total perda de tempo. Perguntei o que aconteceria em 30 dias se eu reabrisse as coisas rapidamente: 'Vocês vão aprovar uma segurança de fronteira que inclua uma barreira de alvenaria ou aço?'. Nancy disse 'não'. Eu disse 'tchau, tchau', nada mais funciona!", escreveu o presidente no Twitter.

Após o ocorrido, Schumer confirmou que o líder apenas se levantou durante a reunião e foi embora. “Ele bateu na mesa e disse que não tinha nada para discutir."

Nesta semana, o presidente afirmou que, se não conseguir o que quer, os Estados Unidos  podem declarar estado de emergência nacional, permitindo que Trump tome medidas extremas para conseguir a verba desejada para a construção do muro, sem que seja necessária a autorização do Congresso. Uma nova visita à fronteira pelo presidente deve ser feita nesta quinta-feira (10).

Em discurso  em rede nacional na noite da última terça-feira (8), Trump alegou que a barreira é “absolutamente essencial” para impedir que haja uma suposta “crise humanitária” . Além disso, o presidente garantiu que o Partido Republicano está “totalmente unido” e a favor da obra.

Mas não é isso o que dizem os democratas. O deputado Hakeem Jeffries afirmou que, cada vez mais, os republicanos na Câmara estão cedendo e se posicionando contra a paralisação do governo federal.  

A disputa ainda está longe de terminar. O Partido Democrata aprovou, na semana passada, uma Lei Orçamentária que não prevê recursos para a barreira. Tal lei precisa do aval do Senado – dominado pelos republicanos – e do próprio Trump, que já afirmou que não haverá acordo sem muro. Em contra partida, os democratas insistem que não mudarão de ideia em relação à promessa de campanha do presidente.

Leia também: Bolsonaro admite que Brasil pode sediar base militar americana no futuro

Enquanto isso, a paralisação causada pelo pedido de Trump ainda não tem previsão para acabar, colocando mais de 800 mil funcionários americanos em grave crise financeira.

*Com informações da Ansa. 

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.