Tamanho do texto

Presidente afirmou que "a questão física pode ser até simbólica", mas que deve ser discutida; Trump e Bolsonaro devem se encontrar ainda em 2019

Em entrevista, Bolsonaro falou sobre a criação de uma base militar americana no Brasil e prometeu viagem aos EUA
Reprodução/The Washington Post
Em entrevista, Bolsonaro falou sobre a criação de uma base militar americana no Brasil e prometeu viagem aos EUA

O presidente da República, Jair Bolsonaro, não esconde o seu apreço pelos Estados Unidos e pelo presidente Donald Trump. Em sua última declaração sobre o país norte-americano, o novo chefe de Estado brasileiro disse que está aberto a discutir a possibilidade da instalação de uma base militar americana no Brasil. 

Leia também: “Só não existiu socialismo no Brasil graças às Forças Armadas”, diz Bolsonaro

"A questão física pode ser até simbólica”, disse. “E o poderio das Forças Armadas americanas, chinesas e soviéticas alcança o mundo todo independente de base, agora, de acordo com o que puder vir a acontecer no mundo, quem sabe você tenha que discutir essa questão no futuro”, afirmou Bolsonaro, admitindo a possibilidade de criar um base militar americana no País.

As declarações de Bolsonaro foram dadas em uma entrevista, transmitida nesta quinta-feira (4), pelo SBT . Na ocasião, o presidente também afirmou que deve visitar o presidente americano, Donald Trump , em março. “A princípio isso aí está pré-acertado”, disse. “Eu reconheço a minha posição, nós sabemos que o presidente Donald Trump é o homem mais poderoso do mundo, eu gostaria muito que nos visitasse”, continuou.

Leia também: Bolsonaro volta a dizer que vai retirar o Brasil do pacto de migrações

Além disso, Bolsonaro falou sobre a sua proposta polêmica de transferir a embaixada brasileira em Israel de Tel-Aviv para Jerusalém , decisão que causou reação de países árabes. A alteração seria uma medida que acompanha os EUA, já que os norte-americanos foram os primeiros países a alterar a sua embaixada em Israel, no ano passado. 

O presidente reconheceu que alguns países “mais radicais podem tomar alguma sanção econômica”, mas disse que a situação é um reconhecimento da autonomia israelense em determinar onde deve ser sua capital. “Não vou deixar de reconhecer a autoridade de Israel", disse.

"Quem vai decidir onde vai ser a capital de Israel é seu governo e seu povo, e ponto final. Imagine se não tivéssemos ligações comerciais e diplomáticas com Israel, onde eu botaria a embaixada de Israel? Em Tel-Aviv ou Jerusalém? Botaria em Jerusalém. E qual diferença se por ventura nós resolvemos transferir a embaixada de Tel Aviv para Jerusalém? No meu entender problema nenhum”, disse.

Segudo o presidente Bolsonaro , a decisão em relação a este assunto já está tomada. “Como disse o primeiro ministro de Israel: a decisão está tomada. Está faltando apenas definir quando ela será implementada”, confirmou. 

Leia também: Eduardo Bolsonaro diz que falou com genro de Trump sobre embaixada em Israel

Já a criação da base militar americana e outras questões que possuem ligação com a relação dos Estados Unidos e o Brasil devem ser decididas e confirmadas no decorrer do ano. 

    Leia tudo sobre: donald trump

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.