Tamanho do texto

Comandante da Força Aeroespacial da Revolução Islâmica, Amir Ali Hajizadeh, declarou que o Irã realiza cerca de 50 lançamentos por ano

Irã confirma realizar cerca de 50 testes com mísseis balísticos por ano
Reprodução/ Agência de Notícias Fars
Irã confirma realizar cerca de 50 testes com mísseis balísticos por ano

O Irã confirmou, nesta terça-feira (11), a realização de um teste de míssil balístico no início do mês. Segundo a agência de notícias iraniana Fars, o comandante da Força Aeroespacial do Corpo de Guardiões da Revolução Islâmica, Amir Ali Hajizadeh, foi o responsável por divulgar a informação.

Leia também: Chanceler de Bolsonaro diz que Brasil deixará pacto de migração assinado ontem

O comentário do comandante veio depois que Mike Pompeo, secretário de Estado norte-americano, denunciou que o teste feito pelo Irã utilizou um míssil capaz de carregar diversas ogivas nucleares e de atingir o Oriente Médio e a Europa.

Para Hajizadeh, o fato de os Estados Unidos se incomodarem e reagirem aos cerca de 50 testes que são realizados pelo Irã durante o ano, revela que o país norte-americano sente-se pressionado pelos lançamentos.

"Vamos continuar com nossos testes de mísseis, essa ação recente foi um teste muito importante", disse o comandante para a Fars. Apesar de ter declarado a quantidade de testes realizados, Hajizadeh não especificou qual o tipo de míssil que foi lançado.

Na semana passada, em reunião entre o Conselho de Segurança da ONU, o teste foi um assunto debatido entre países, como os Estados Unidos, a França e a Grã-Bretanha que consideram o lançamento uma violação às restrições impostas pela ONU referente ao programa nuclear de Teerã. O acordo prevê a retirada das sanções internacionais colocadas ao Irã, em troca da garantia de que Teerã – capital do país – não desenvolva armas nucleares.

Apesar de o presidente norte-americano, Donald Trump, ter decidido se retirar do programa nuclear, em maio , o secretário de Estado declarou que os EUA condenam a violação ao acordo e exigem que o país iraniano coloque fim a todos os testes realizados com mísseis balísticos feitos para portar armas nucleares.

De acordo com a agência de notícias Tasnim, o ministro das Relações Exteriores, Mohammad Javad Zarif se posicionou perante as acusações feitas pelos EUA . "A questão dos mísseis nunca esteve sujeita a negociações e nada foi aprovado ou ratificado sobre sua proibição para a República Islâmica do Irã na Resolução 2231".

Leia também: ONU anuncia US$ 738 milhões para países que recebem venezuelanos

 O Irã descartou realizar negociações com Washington sobre suas atividades mlitares, principalmente no que diz respeito ao acordo nuclear. O país diz que os testes tem caráter unicamente de defesa e que os mísseis não são capazes de abrigar ogivas nucleares.