Tamanho do texto

Republicano acusa o país iraniano de ser o maior "financiador do terrorismo" e de continuar perseguindo o desenvolvimento de uma bomba atômica

Em pronunciamento, Donald Trump disse que os Estados Unidos vão sair do acordo nuclear do Irã
Reprodução/ Fox News
Em pronunciamento, Donald Trump disse que os Estados Unidos vão sair do acordo nuclear do Irã

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou nesta terça-feira (8) que decidiu abandonar o  acordo nuclear firmado com o Irã, retomando as sanções contra o país. Durante o anúncio, o republicano afirmou que "o Irã é o principal estado patrocinador do terrorismo" e que nenhuma ação desse país foi mais perigosa do que sua busca por armas nucleares.

No acordo assinado na gestão de Barack Obama, o Irã havia se comprometido a limitar suas atividades nucleares em troca do alívio em sanções internacionais. A decisão de cancelar a negociação é uma das mais contundentes relacionadas a política externa de Donald Trump em seus 15 meses de governo.

Durante o discurso, Trump disse que o acordo de 2015 deveria proteger os EUA e seus aliados, mas permitiu que o Irã continuasse enriquecendo urânio. O magnata acredita que o país iraniano estaria próximo de obter armas nucleares e lançar uma corrida armamentista no Oriente Médio, com outras nações querendo seguir seu exemplo e também buscando programas nucleares.

Promessa de campanha

Desde a campanha eleitoral, Trump faz severas críticas ao pacto e o classificou como o “pior acordo da história”. O compromisso foi assinado em 2015 pelo antecessor Barack Obama e os líderes do Reino Unido, da França, da Alemanha, da China e da Rússia.

Leia também: Opaq conclui missão para investigar suposto ataque químico em Duma, na Síria

No acordo, foram reduzidas as sanções econômicas impostas ao Irã em troca de limitações ao programa nuclear do país do Oriente Médio. Os líderes mundiais temiam que o Irã usasse o programa para construir armas atômicas.

Em janeiro, Trump estendeu a suspensão das sanções, concedendo mais 120 dias aos países signatários do acordo ( Reino Unido, da França, da Alemanha, da China e da Rússia) para corrigirem o que chamou de “falhas terríveis”. O prazo termina no próximo dia 12.

Rejeição

Autoridades iranianas reagiram negativamente às eventuais mudanças nos termos assinados em 2015. No mês passado, o presidente do Irã, Hassan Rouhani, afirmou que o Ocidente não tem direito de mexer no acordo nuclear e no último domingo (6) afirmou que os EUA se arrependeriam de deixar o acordo. 

Leia também: Atentado a bomba em mesquita deixa 17 mortos e 33 feridos no Afeganistão

Logo depois, o ministro de Relações Exteriores, Mohammad Javad Zarif, disse que o Irã não “renegociará ou fará adições ao pacto implementado”. Segundo a Reuters, a TV estatal iraniana afirmou que a decisão de Trump é ilegal, ilegítima e enfraquece acordos internacionais.

Reação internacional 

O "Plano de Ação Conjunta Global" (JCPOA, na sigla em inglês) foi assinado em 2015 e também envolveu Alemanha, China, França, Reino Unido e Rússia, além da União Europeia. Durante os últimos dias, o presidente francês, Emmanuel Macron, a chanceler alemã, Angela Merkel, e o secretário britânico de Relações Exteriores, Boris Johnson, viajaram a Washington para tentar demover Trump, sem sucesso.

"França, Alemanha e Reino Unido lamentam a decisão americana de sair do acordo nuclear iraniano. Está em jogo o regime internacional de não-proliferação nuclear", escreveu Macron no Twitter. Já a alta representante da UE para Política Externa, a italiana Federica Mogherini, disse que o bloco está determinado a "preservar" o pacto.

"Ao povo iraniano, digo: não deixem que o desmantelem, é um dos maiores sucessos alcançados pela comunidade internacional", disse a chanceler europeia. "O acordo com o Irã deve ser mantido. Contribui para a segurança na região e freia a proliferação nuclear", criticou o primeiro-ministro da Itália, Paolo Gentiloni.

O tratado prevê a eliminação dos bloqueios impostos à economia iraniana nos últimos anos. Em troca, o país persa se comprometeu a limitar suas atividades atômicas, incluindo a interrupção do enriquecimento de urânio na usina de Fordow e a redução de suas centrífugas, que passarão de 19 mil para 6,1 mil em 10 anos.

Além disso, Teerã aceitou permitir a realização de inspeções periódicas por parte da Organização das Nações Unidas (ONU) em suas instalações.

A saída do acordo nuclear atende ainda aos interesses dos dois principais aliados dos EUA no Oriente Médio: a Arábia Saudita, liderada por uma rígida monarquia sunita e antagonista do Irã em conflitos na região; e Israel, cuja existência não é reconhecida pelo regime dos aiatolás.

"Apreciamos muito a decisão de Donald Trump . Se continuasse em vigor, o Irã teria bombas nucleares dentro de alguns anos", comemorou Netanyahu, chamando a retirada de "corajosa e correta".

* Com informações da Agência Brasil e Ansa

    Leia tudo sobre: Donald Trump
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.