Tamanho do texto

Ao todo, o serviço secreto americano interceptou seis pacotes contendo material explosivo em vários endereços de lideranças do Partido Democrata há menos de duas semanas das eleições legislativas nos Estados Unidos. Veja

FBI investiga explosivos enviados a escritório de Obama, em Washington, e a casa de Hillary Clinton, em Nova York
Divulgação/Casa Branca
FBI investiga explosivos enviados a escritório de Obama, em Washington, e a casa de Hillary Clinton, em Nova York

O serviço secreto dos Estados Unidos interceptou seis pacotes com "potenciais explosivos" mandados desde segunda-feira (22) até esta quarta-feira (24). Os dois principais foram enviados para o escritório do ex-presidente Barack Obama, em Washington, e para a residência da ex-primeira dama e ex-secretária de estado Hillary Clinton e do ex-presidente Bill Clinton, em Chappaqua, no subúrbio de Nova York. O FBI investiga os explosivos.

Leia também: Trump anuncia que vai encerrar acordo nuclear entre EUA e Rússia

O comunicado do Departamento de Segurança Interna dos Estados Unidos confirmou oficialmente que os dois pacotes foram interceptados durante inspeções de rotina, uma medida de segurança adotada normalmente por conta da condição de ex-presidentes de Barack Obama e Bill Clinton. O FBI investiga os explosivos para tentar descobrir quem teria sido o remetente do material e afirma que nenhum dos dois pacotes chegaram a oferecer risco às lideranças do Partido Democrata.

Além dos dois pacotes que tinham como destinatários Hillary Clinton e Barack Obama , pelo menos outros quatro pacotes foram encontrados em endereços de lideranças democratas ou de pessoas influentes ligados ao partido. O primeiro deles foi encontrado ainda na segunda-feira (22) na casa do bilionário americano George Soros, em Bedford, ao norte de Manhattan, Nova York.

Considerado um dos homens mais ricos do mundo pela revista Forbes, o empresário liberal é um dos principais doadores do Partido Democrata , mas não estava em casa no momento em quem um funcionário de Soros encontrou o pacote, suspeitou do conteúdo e então o levou até uma área arborizada antes de chamar a polícia. Nesse mesmo local, a bomba foi detonada e ninguém chegou a ficar ferido.

O caso era considerado um evento isolado e já estava sendo investigado pelo FBI até que um segundo pacote semlhante ao primeiro foi interceptado na noite de terça-feira (23) próximo da residência de Bill e Hillary Clinton, quando a Força Tarefa Conjunta contra o Terrorismo do FBI passou a classificar os episódios como uma operação coordenada.

Na manhã desta quarta-feira (24), no entanto, o FBI tomou conhecimento de outros quatro pacotes. Além do já citado explosivo encaminhado para o escritório de Barack Obama em Washington, um quarto pacote foi encontrado pelos funcionários da rede de televisão americana CNN , uma das maiores do mundo.

O material explosivo era endereçado ao ex-diretor da CIA, John Brennan, um dos maiores críticos de Trump que também é colaborador do canal de TV americano.

FBI investiga explosivos enviados a casa de George Soros, Hillary Clinton, Barack Obama, sede da CNN e outros dois líderes do Partido Democrata
Divulgação/ABC News
FBI investiga explosivos enviados a casa de George Soros, Hillary Clinton, Barack Obama, sede da CNN e outros dois líderes do Partido Democrata

Assim que suspeitaram do material, os funcionários acionaram a polícia que, ao confirmarem a suspeita sobre o conteúdo do pacote, precisaram evacuar o prédio onde ficam os estúdios da rede na cidade, o Time Warner Center.

Na sequência, o esquadrão anti-bomba do Departamento de Polícia de Nova York recolheu o pacote e conduziu o artefato explosivo até a sede do esquadrão ao norte de Manhattan. Lá ele será investigado para contribuir com as investigações sobre a origem da bomba e sua composição antes de ser detonado controladamente.

No vídeo abaixo é possível ver o momento em que o telejornal que era transmitido ao vivo e dava justamente a notícia dos explosivos enviados a Hillary Clinton e Barack Obama é interrompido pelo alarme do prédio:

Mais tarde, as autoridades americanas ainda informaram que outros dois pacotes também foram interceptados.

O primeiro deles tinha como destinatário o ex-Procurador-Geral da gestão Obama, Eric Holder, mas o endereço estava errado e, por isso, o pacote foi reencaminhado para o endereço de "devolução em caso de possibilidade de entrega" que, por sua vez, era do escritório da deputada democrata Debbie Wasserman Schultz, onde o pacote foi finalmente interceptado.

O segundo e último foi encaminhado a outra deputada democrata, Maxine Waters, mas também foi interceptado no centro de triagem da correspondência do Congresso, em Capitol Heights, Maryland.

Inicialmente suspeitou-se que um sétimo pacote também teria sido encaminhado ao escritório do governador do estado de Nova York, também democrata, Andrew Cuomo, em Manhattan, mas depois a hipótese foi descartada pelas autoridades americanas.

De qualquer forma, todos os pacotes interceptados também continham um pó branco que ainda não foi identificado pelo FBI.

O comunicado do serviço secreto americano informou mais cedo que uma investigação criminal foi aberta para tentar identificar o responsável pela ação. Leia o comunicado divulgado pelo FBI na íntegra:

O Serviço Secreto dos Estados Unidos interceptou dois pacotes suspeitos dirigidos a protegidos pela instituição. Na noite de 23 de outubro de 2018, o Serviço Secreto recuperou um pacote dirigido à ex-primeira-dama Hillary Clinton em Westchester County, Nova York.

Na manhã de hoje, 24 de outubro de 2018, um segundo pacote dirigido à residência do ex-presidente Barack Obama foi interceptado por membros do Serviço Secreto em Washington, DC.

Os pacotes foram imediatamente identificados, durante o procedimento rotineiro de triagem de correspondências, como potenciais dispositivos explosivos e foram apropriadamente manipulados como tal. Ambos os pacotes foram interceptados antes de serem entregues ao local pretendido. Os protegidos não receberam os pacotes nem ficaram sob risco de recebê-los.

O Serviço Secreto iniciou uma completa investigação criminal que utilizará todos os recursos disponíveis em nível federal, estadual e local para determinar a origem dos pacotes e identificar os responsáveis.

FBI investiga explosivos e autoridades se posicionam

FBI investiga explosivo supostamente enviado à Casa Branca e à sede da emissora de televisão CNN
Divulgação/Casa Branca
FBI investiga explosivo supostamente enviado à Casa Branca e à sede da emissora de televisão CNN


Inicicialmente, a própria CNN e outras emissoras de TV americanas informaram que um explosivo também teria sido encaminhado à Casa Branca, sede do governo americano, e interceptado pelo FBI. Mas o próprio serviço secreto americano negou a informação mais tarde.

De qualquer forma, o presidente Donald Trump foi informado bem cedo sobre os pacotes suspeitos e, em comunicado oficial assinado pela porta-voz Sarah Sanders, a Casa Branca afirmou que condena as "tentativas de ataques violentos" contra Obama, os Clinton e outras lideranças do Partido Democrata.

Leia também: Trump ameaça fechar fronteira com o México para conter imigrantes hondurenhos

O comunicado divulgado quando só havia a confirmação dos pacotes enviados a George Soros, Barack Obama e Hillary Cliton também chamou "esses atos aterrorizantes" de "desprezíveis" e afirmou que "qualquer pessoa responsável será punida na extensão total da lei".

Leia o comunicado assinado e divulgado pela Casa Branca:

Condenamos as violentas tentativas de ataque feitas recentemente contra o presidente Obama, o presidente Clinton, a secretária [de Estado] Clinton e outras figuras públicas. Esses atos aterrorizantes são desprezíveis, e os autores assumirão a responsabilidade de acordo com o máximo alcance da lei. O Serviço Secreto dos EUA e outras agências de segurança estão investigando e tomarão todas as ações apropriadas para proteger qualquer um ameaçado por esses covardes.

Mais tarde, o próprio presidente também reproduziu uma mensagem publicada pelo vice-presidente Mike Pence no Twitter, em que diz que "concorda de todo coração" com as palavras do colega que reforçam que "estas ações covardes são desprezíveis e não tem lugar neste país", antes de agradecer "pela rápida respostas do Serviço Secreto, do FBI e da polícia local", antes de afirmar que "os responsáveis serão levados à justiça".


Já no período da tarde, na abertura de evento que já estava programada para acontecer na própria Casa Branca, a primeira-dama Melania Trump e o próprio presidente, usaram suas falas de abertura para reforçar as palavras ditas anterioremente pelo vice.

Donald Trump acrescentou que "a segurança do povo americano é minha mais alta prioridade" que tinha "acabado de concluir uma reunião com o FBI, o Departamento de Justiça Americano, o Departamento de Segurança Nacional e o Serviço Secreto dos Estados Unidos" onde reforçou que "não vamos poupar recursos federais para que os responsáveis sejam identificados e punidos" e aproveitou para mandar uma mensagem de união, contra a violência, bipartidária, ao afirmar que "os dois partidos concordam" sobre isso.

A mensagem de Trump tenta passar uma certa tranquilidade já que os Estados Unidos estão há menos de duas semanas para as eleições legislativas que vão renovar boa parte do Senado e da Câmara americana e também eleger alguns novos governadores.

Leia também: Avião que levava Melania Trump sofre falha mecânica e faz pouso forçado nos EUA

Porém, enquanto o FBI investiga explosivos , o pó branco que acompanhava os pacotes e as demais circunstâncias do episódio que está sendo classificado como "atentado terrorista", não é possível cravar que todos os pacotes partiram de um mesmo destinatário, mas já se sabe que todos os alvos identificados até o momento eram lideranças do partido democrata e o FBI não descarta que mais pacotes sejam encontrados nos próximos dias, portanto, a atenção será redobrada.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.