Tamanho do texto

Reunião será marcada pelo isolamento dos EUA; encontro ocorre hoje e amanhã, com representantes dos sete países mais industrializados do mundo

G7: Donald Trump se indispôs com o Canadá e a UE ao impôr, no mês passado, tarifas às importações de aço e alumínio
Twitter/Reprodução
G7: Donald Trump se indispôs com o Canadá e a UE ao impôr, no mês passado, tarifas às importações de aço e alumínio

A cidade de Quebec, no Canadá , sedia nesta sexta-feira (8), a Cúpula do G7 – encontro dos representantes dos sete países mais industrializados do mundo. Porém, horas antes do início do encontro, já eram notados sinais de quão desgastante seria o encontro. 

Leia também: Mesmo atrasado, Trump 'empurra' presidente para aparecer na frente em foto do G7

Neste ano, a reunião do G7 será marcada pelo isolamento do presidente norte-americano, Donald Trump, do grupo. Isso porque ele se indispôs recentemente com o Canadá e com a União Europeia. O desentendimento rendeu até trocas de farpas entre o magnata e o outros líderes de Estado no Twitter.

Horas antes do início da reunião Trump devolveu na rede social as críticas do anfitrião do encontro, o primeiro-ministro canadense, Justin Trudeau, e do presidente da França, Emanuel Macron, que disseram em uma coletiva em Montreal que uma discussão sobre retaliações sobre a política tarifária de importações sobre o aço e o alumínio adotada por Washington deve ser realizada. 

Leia também: Donald Trump afirma que tem poder de conceder perdão presidencial a si mesmo

Antes disso, Macron também usou o Twitter para dizer que Trump parecia não se importar com o isolamento, mas disse que os demais países também não se importavam com tal decisão.

"O presidente americano pode não se importar em ficar isolado, mas também não nos importamos em assinar um acordo de seis países. Como esses seis países representam valores, eles representam um mercado econômico que tem o peso da história e que é agora uma verdadeira força internacional", disse Macron.

As tarifas sobre o aço e o alumínio serão examinadas pelos líderes, que discutirão também, nessa reunião, a saída dos Estados Unidos do Acordo de Paris e do acordo nuclear com o Irã, o combate à evasão fiscal e as relações com a Rússia e Coreia do Norte.

De G8 para G7

Os países pertencentes ao G7 são a França, o Canadá, os Estados Unidos, o Japão, a Alemanha, Itália e o Reino Unido. A Rússia foi suspensa do grupo em 2014, após a anexação da Crimeia.

Além disso, os presidentes do Conselho Europeu e da Comissão Europeia são convidados e representam a União Europeia nas cúpulas anuais. A presidência do grupo, que atualmente pertence ao Canadá, é rotativa e varia anualmente.

Leia também: "Missão cumprida", diz Trump sobre ataque à Síria; Pentágono também elogia ação

A cúpula do G7  é uma oportunidade para os líderes tratarem de alguns dos problemas globais mais desafiadores da atualidade. A reunião deste ano promete ser igualmente desafiadora.

* Com informações da Agência Brasil.

    Leia tudo sobre: donald trump
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.