Tamanho do texto

Aeronave era um Boeing 737 da companhia Cubana de Aviación que contava com nove tripulantes e 105 passageiros. Cinco deles eram crianças. A imprensa local reporta três sobreviventes "em estado crítico de saúde"

Local do acidente em Havana, Cuba
Reprodução
Local do acidente em Havana, Cuba

Um avião, modelo Boeing 737, caiu nesta sexta-feira (18), logo após decolar do aeroporto internaconal de Havana, em Cuba, informou a TV estatal. De acordo com as autoridades locais, a aeronave levava 105 passageiros, além de nove tripulantes, e teria caído, em chamas, nas proximidades do Aeroporto Internacional José Martí, às 12h08 locais (13h08 em Brasília).

Leia também: Tiroteio em escola e deixa ao menos oito mortos no Texas; atirador foi detido

Segundo o site Cuba Debate, há três mulheres sobreviventes em "estado crítico de saúde". Elas foram levadas ao Hospital General Universitario Calixto Garcia junto de um outro passageiro. Segundo o diretor do hospital Carlos Alberto Martinez, ele teria chegado com vida, mas não resistiu aos ferimentos.

Entre as sobreviventes estão uma mulher identificada como Emiley Sánchez de la O., de 39 anos. A segunda seria uma jovem que tem entre 18 e 25 anos e a terceira teria cerca de 30 anos. Os nomes delas, porém, ainda não foram revelados.

Também de acordo com a mídia cubana, há dezenas de bombeiros na área onde ocorreu o acidente. O fogo já foi controlado e agora começa a identificação das vítimas. Alguns moradores se aproximaram do local logo após o acidente para auxiliar no resgate e o presidente de Cuba , Miguel Díaz-Canel, também esteve no local antes de declarar luto oficial de dois dias. 

Leia também: Após dois meses internado, ex-espião russo envenenado recebe alta do hospital

O voo doméstico tinha como destino a província de Holguín, a leste da ilha. Os destroços do avião estão perto da capital Havana, na localidade de Santiago de Las Vegas, a 13 km do centro da cidade. 

O nome dos integrantes da tripulação foram divulgados horas depois da queda. O comandante se chamava Jorge Luis Núñez Santos, e outros tripulantes eram Miguel Ángel Arreola Ramírez, María Daniela Ríos, Abigail Hernández García e Beatriz Limón.

Também foi confirmado que havia cinco crianças no voo. 



Segundo a CNN ,  testemunhas avistaram uma "grande bola de fogo" no céu, seguida de uma nuvem de fumaça perto do aeroporto nos arredores da capital.

Familiares das vítimas que viviam em outras cidades da ilha estão a caminho de Havana para o reconhecimento dos corpos. O governo do País e a embaixada brasileira em Cuba informaram que não há informações de brasileiros entre as vítimas do voo.

O Ministério das Relações Exteriores do Brasil enviou uma nota expressando solidariedade ao povo cubano e suas condolências às famílias das vítimas do acidente. Assim também fizeram o rei da Espanha, Felipe VI, e os governos da Venezuela, México, Colômbia, Bolívia, Guatemala, Nicarágua, Chile e Canadá.

Já o ministério das Relações Exteriores da Argentina informou que há dois argentinos entre os mortos, mas seus nomes também não foram divulgados. Os únicos outros estrangeiros presentes eram mexicanos, mas ainda não há uma confirmação de quantos.

Avião alugado por companhia aérea de Cuba

A Cubana de Aviación - companhia aérea nacional - teve de inutilizar parte de sua frota envelhecida por causa de questões de segurança, embora a causa do acidente desta sexta-feira seja desconhecida. Ainda de acordo com as informações do jornal Granma , o avião era da empresa italiana Blue Panorama e foi arrendado pela empresa aérea. 

O governo do México emitiu nota afirmando se tratar de um Boieng B737-201 ADV, ano 1979, de matrícula XA-UHZ, da Aerolíneas Damojh, operado pela Cubana de Aviación.

Leia também: “Criam-se condições obscuras para condenar pessoas”, diz papa Francisco

A Boeing, fabricante do avião acidentado, afirmou que está ciente do ocorrido em Cuba e monitorando a situação de perto.



    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.