Tamanho do texto

Jeff Sessions já tinha visita marcada ao Senado, mas oposição decidiu utilizar o dia para esclarecer contato com o governo russo e fatos sobre investigação

O procurador-geral dos Estados Unidos, Jeff Sessions, comparacerá na próxima terça-feira (13) ao Comitê de Inteligência do Senado para responder ao testemunho feito pelo ex-diretor do FBI , James Comey, sobre a suposta interferência da Rússia nas eleições presidenciais dos EUA de 2016. Segundo informações da agência  EFE , Sessions já compareceria a um subcomitê na mesma data, mas os legisladores democratas decidiram aproveitar a ocasião para lhe fazer algumas perguntas.

Leia também: Trump acusa ex-diretor do FBI de ser "vazador" de informação e de mentir

O objetivo da oposição ao governo Donald Trump é esclarecer questões sobre os contatos do procurador-geral com o governo russo e seu papel durante a investigação sobre a possível interferência na corrida presidencial dos EUA . "À luz das informações que concernem ao recente testemunho de Comey perante o Seleto Comitê de Inteligência do Senado , é importante que tenha uma oportunidade de abordar esse assunto no foro apropriado", disse Sessions em comunicado.

Para Sessions, procurador-geral dos EUA, Comitê de Inteligência do Senado é o local
Gage Skidmore/Flickr Commons
Para Sessions, procurador-geral dos EUA, Comitê de Inteligência do Senado é o local "mais apropriado" para estas questões

Leia também: Theresa May perde dois assessores próximos após derrota nas eleições gerais

"Previamente aceitei um convite para testemunhar em nome do Departamento de Justiça perante os subcomitês de Dotações da Câmara e o Senado sobre o orçamento do Departamento para 2018", explicou. Segundo ele, alguns membros dos subcomitês haviam expressado publicamente o desejo de aproveitar as reuniões para concentrar suas perguntas em assuntos relacionados à investigação, mas a intenção foi prontamente recusada.

Sessions argumenta que o Comitê de Inteligência do Senado é o foro "mais apropriado" para o assunto, "já que esteve fazendo uma investigação e tem acesso a informações relevantes e confidenciais". Por este motivo, afirma estar satisfeito em "aceitar o convite para comparecer perante os membros desse comitê".

Para seu depoimento com os subcomitês de Dotações de ambas as câmaras, Sessions será substituído pelo vice-procurador-geral, Rod Rosenstein. De acordo com a imprensa local, Comey disse ao Comitê de Inteligência do Senado que o procurador-geral pode ter realizado uma terceira reunião – até agora desconhecida – com o embaixador russo nos EUA, Sergei Kislyak.

Leia também: Fogo no ninho: PSDB está rachado sobre apoio a Temer

Na última quinta-feira (8), Sessions se defendeu e assegurou que se desligou da investigação sobre interferência da Rússia "apenas" pela sua participação na campanha do agora presidente dos EUA, Donald Trump. A versão do ex-diretor do FBI, porém, afirma que o procurador-geral deixou a investigação em 2 de março por conta de sua participação em uma série de fatos, que por serem sigilosos, não revelou perante o público.

* Com informações das agências EFE e Brasil.

    Leia tudo sobre: Donald Trump
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.