Assassinatos por terras aumentaram mais de 1.000% no Brasil em 2021
Reprodução: iG Minas Gerais
Assassinatos por terras aumentaram mais de 1.000% no Brasil em 2021

Relatório divulgado pelo Centro de Documentação da Comissão Pastoral da Terra (Cedoc/CPT) nesta sexta-feira (10) revela que o número de mortes em conflitos por terras entre janeiro e agosto deste ano aumentou 1.044% em relação a todo o ano passado, sendo as maiores vítimas os  indígenas Yanomamis, que representam 101 (pelo menos 45 crianças) dos 103 óbitos, em contraponto com os nove que ocorreram em 2020.

Essas mortes ocorreram durante invasões de garimpeiros ao território Yanomami, que resultaram em assassinatos, agressões, ameaças ao território, contaminação da água e desmatamento, e transmissão de doenças, incluindo a Covid-19. Além dos homicídios, essas mortes incluem a das crianças sugadas por dragas e outras que morreram afogadas ao fugirem de tiroteios na região.

Outra causa dessas mortes apontada pela CPT é a falta de políticas públicas de saúde e alimentação para as comunidades indígenas, que teve como consequência um alto índice de desnutrição das crianças yanomamis, além do aumento de doenças como a malária, leishmaniose e pneumonia.

A Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai) registrou uma queda drástica nos recursos pagos desde o início do governo Jair Bolsonaro, especialmente durante a pandemia da Covid-19.

Em 2018, foi destinado R$ 1,1 milhão para a secretaria, que passou para R$ 494 mil no ano seguinte, R$ 200 mil no ano passado e R$ 300 mil este ano, o que fez com que o o Ministério Público Federal (MPF) cobrasse da Sesai, que é vinculada ao Ministério da Saúde, um plano de reestruturação de atendimento aos índios yanomami, em novembro deste ano.

Assassinatos de sem-terras triplica

Das 103 mortes decorrentes dos conflitos por terra, 26 foram assassinatos. Entre janeiro e novembro de 2021, foram registrados 26 homicídios nessas circunstâncias. Um aumento de 30% em relação a todo o ano anterior, quando ocorreram 20 mortes.

Leia Também

O ano teve menos conflitos por terras, mas teve mais famílias envolvidas (3,55%). O que aumentou consideravelmente foi a violência nesses confrontos: assassinato de sem-terras triplicou no Brasil neste período de 2021 em relação a todo o ano passado. Foram registrados 418 territórios que sofreram "Violência Contra Ocupação e a Posse", sendo 28% de terras indígenas, 23% quilombolas, 14% de posseiros e 13% de sem-terras, entre outros povos.

A CPT também quantificou a forma como essas violências ocorreram. O dado que mais chamou a atenção foi o número de "impedimento do acesso às áreas de uso coletivo", que subiu 1056,91%. Em seguida, vêm a expulsão de pessoas de terras (152,61%), pistolagem (117,63%), e a grilagem (113,44), que é a falsificação de documentos para tomar posse de terras ilegalmente.


Amazônia como alvo

A pesquisa da CPT também mostrou dados com foco na região da Amazônia Legal, mostrando que assim como no ano passado, os indígenas são as maiores vítimas dos conflitos por terra no local. Contudo, eles passaram de 42% das vítimas em 2020, para 33% em 2021.

Em contrapartida, o número que cresceu em 2021 foi de posseiros (9,5%), sem-terra (12%) e assentados (7%), que no ano passado representavam 3%,10% e 4%, respectivamente. Os quilombolas alvos de conflitos eram 24% em 2020, e se tornaram 19% em 2021.

Quem causa esse tipo de violência na região são os fazendeiros (30%) e grileiros (14%), em maioria. Dos 26 assassinatos registrados este ano, 20 ocorreram na Amazônia Legal, representando 77% das vítimas no país. Quando se trata de famílias vítimas de grilagem, 93% delas eram da região, o que mostra os resultados da exploração ilegal de terras.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários