Tamanho do texto

Na levada dos surdos e caixas, alunos e professores cantam "tira a tesoura da mão e investe em educação!"; UNE fala em mais de 50 mil pessoas

Manifestantes se concentram no Largo da Batata para ato em apoio à educação, nesta quinta, na capital paulista
Larissa Pereira - iG Último Segundo
Manifestantes se concentram no Largo da Batata para ato em apoio à educação, nesta quinta, na capital paulista

Amultuada em torno do carro de som do sindicato dos trabalhadores da Universidade de São Paulo (USP), a concentração da manifestação contra cortes anunciados pelo Ministério da Educação (MEC) no orçamento de universidades federais, no Largo da Batata, começou com discursos de professores universitários na capital paulista.

Leia também: Protestos contra cortes na educação ocorrem em 22 Estados e no DF; siga ao vivo

"Mais Paulo Freire e menos Olavo de Carvalho", pede o professor Vitor Paro, da faculdade de educação da USP. O protesto pela  educação  começou por volta das 16h desta quinta-feira (30) e engrossa a série de atos que ocorrem hoje em todo o País.

Baterias de diversos institutos federais da Grande São Paulo se reúnem atrás do carro de som. Na levada dos surdos e caixas, os estudantes cantam a marcha "tira a tesoura da mão e investe em educação!". Enquanto isso, mais e mais percussionistas chegam ao  Largo da Batata  pelas saídas da estação Faria Lima da Linha 4-Amarela do Metrô.

Leia também: Em ato, faixa com dizeres "Em defesa da Educação" é estendida novamente na UFPR

Em meio à cantoria, faixas de uniões sindicais e de movimentos estudantis dividem espaço na praça. Enquanto os sindicalistas ressaltam a luta contra a Reforma da Previdência, os estudantes focam sua atenção nos cortes na educação e o projeto de lei  Escola sem Partido .

Leia também: Em Pelotas (RS), estudantes ironizam vídeo de Weintraub com guarda-chuva

"Temos certeza que, junto aos estudantes , nós vamos unificar as duas pautas", afirma Dagnaldo Gonçalves, 54, diretor do Sindicato dos Metroviários de São Paulo. "Aqui a gente começa a construir a união para a greve geral planejada para o dia 14 de junho", completa. De acordo com a União Nacional dos Estudantes ( UNE ), o ato reúne mais de 50 mil pessoas.