Tamanho do texto

No último domingo, a faixa havia sido arrancada do local pelos apoiadores do presidente Jair Bolsonaro; ela estava estendida desde o início do mês

Faixa sobre educação na UFPR
Reprodução/Twitter
Faixa com a frase "Em defesa da Educação" voltou a ser estendida em frente ao prédio da UFPR

Nesta quinta-feira (30) – que vem sendo marcada por uma série de atos contra o corte de gastos nas universidades, institutos e colégios federais, anunciado pelo Ministério da Educação (MEC) – um grupo de estudantes resolveu estender novamente a faixa com os dizeres "Em defesa da Educação" em frente ao prédio da Faculdade de Direito da Universidade Federal do Paraná (UFPR). A faixa havia sido arrancada do local no último domingo (26).

Quem arrancou a faixa pela educação da frente da UFPR foram manifestantes que participavam do ato popular em apoio ao governo de Jair Bolsonaro (PSL) em Curitiba. Na ocasião, a atitude provocou frisson entre os participantes da manifestação , que aplaudiram e incentivaram aqueles que estavam derrubando a faixa. 

"Vamos retirar essa faixa, porque prédio público não pode ser usado de forma ideológica. É Brasil. Nós estamos aqui buscando um Brasil melhor. Não vamos permitir mais isso", explicava, em vídeo, um dos organizadores do protesto de domingo na capital paranaense. 

Hoje pela manhã, professores da UFPR já haviam colocado uma faixa "Em defesa da educação" no câmpus localizado no Centro de Curitiba. O ato fez referência à faixa que tiraram da frente do prédio da Faculdade de Direito. Durante a manifestação organizada hoje em Curitiba, os estudantes e os professores da universidade reestenderam a faixa no local onde ela estava e também levaram uma cópia da mesma na passeata.

Leia também: Protestos contra cortes na educação ocorrem em 18 Estados e no DF; siga ao vivo

A faixa com os dizeres "Em defesa da Educação " cobria parte de prédio histórico da universidade desde as primeiras semanas deste mês, quando o Ministério da Educação anunciou que haveria bloqueio de 30% nas verbas de custeio para universidades federais e institutos de ensino superior. 

Leia também: MPF processa ministro da Educação por dano moral contra professores e estudantes